UNITA propõem consenso nacional face ao actual cenário de crise

Face ao actual quadro económico e social, o presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, propôs a busca de “consenso nacional de todas as forças vivas”, para levar o País a criar condições para a sua recuperação.

15 Jul 2020 / 13:52 H.

O deputado disse tratar-se de um compromisso que passaria por um programa de reformas estruturais, pela salvaguarda do interesse nacional e do reforço da democracia e coesão nacional.

O político sublinhou que é altura de se olhar mais além e partilhar com o cidadão, com os governantes e com os deputados a realidade do país e os níveis de gravidade da situação económica e social.

“Mas tudo está ao nosso alcance, bastando para tal vontade política que se deve materializar para além da manifestação das vontades ou das promessas. É este o cenário de coesão nacional que o cidadão mais espera de nós políticos e das lideranças”, defendeu.

Perante o cenário, o presidente do grupo parlamentar da Casa-CE, Sebastião André, criticou o despedimento de funcionários no Banco de Poupança e Crédito, bem como apelou ao Executivo a evitar a suspensão contratual de professores e trabalhadores do ensino particular.

Afirmou que, nesta fase de crise, o OGE Revisto, deve observar, na sua concepção e execução, o princípio da parcimónia, contornando gastos supérfluos, dando primazia as despesas imprescindíveis e de interesse colectivo.

Para o deputado Lucas Ngonda, é necessário continuar a apostar na agricultura, criando condições para o escoamento dos produtos do campo, de maneira a fazer face a actual situação económica.

Em sua opinião, o País não tem o mercado interno organizado para acolher aquilo que é produzido, assistindo-se à deterioração dos produtos, o que desencoraja os agricultores.

Por isso, defendeu a reabilitação das vias secundárias e terciárias, para o escoamento dos produtos, já que o meio rural não pode ficar à margem do progresso social.

Benedito Daniel, deputado do PRS, afirmou que o OGE Revisto é mais realista do que o que está em vigor, por reflectir uma situação de equilíbrio orçamental.