Transportes públicos aumentam lotação a 75%

A partir do dia um de Outubro, a lotação máxima nos transportes públicos urbanos passará de 50 para 75%, em Luanda, tendo em conta a retoma das aulas no ensino superior e II ciclo do ensino secundário, no âmbito das novas medidas contidas no Decreto Presidencial que declara a Situação de Calamidade Pública em Angola.

Luanda /
09 Set 2020 / 11:08 H.

O facto foi anunciado pelo ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, durante a conferência de imprensa sobre a actualização das medidas de prevenção e combate à COVID-19 no país, sublinhando que o aumento da taxa de lotação visa responder à procura deste serviço por parte dos utentes.

Até ao momento, quer os transportes públicos de passageiros quer os particulares estão limitados a uma lotação máxima de 50%, visando cortar a cadeia de transmissão do vírus.

Com essa limitação, o serviço de táxi em Luanda está cada vez mais difícil, provocando aglomerações nas paragens, facto que pode aumentar o risco de propagação do vírus nas comunidades.

Para minimizar essa situação, o ministro dos Transportes assegurou que o sector, em colaboração com os governos provinciais e operadores, tem desenvolvido acções com vista a melhoria da operacionalidade dos transportes públicos urbanos no País.

Reiterou que os operadores dos transportes públicos urbanos em Luanda, por exemplo, já asseguram o funcionamento de cerca de 90% dos serviços com os 220 novos autocarros disponíveis.

Ricardo de Abreu assegurou que ainda neste mês o Governo prevê fazer a entrega de novos meios de transportes aos governos provinciais do País, para aumentar a oferta desse serviço.

Segundo o ministro, a província de Luanda vai beneficiar de 153 novos autocarros, enquanto as demais províncias poderão receber 160 veículos de transporte de passageiros.

Além da disponibilização de novos meios de transportes públicos, para atender a demanda da população, Ricardo de Abreu referiu que o sector está a trabalhar no sentido de compreender o fenómeno da mobilidade urbana da cidade de Luanda e corrigir, eventualmente, algumas medidas de licenciamento e funcionamento dos veículos disponíveis