Papa Francisco não autoriza homens casados ou mulheres sejam ordenados na Amazónia

Francisco revelou esta quarta-feira que não autoriza que homens casados ou mulheres sejam ordenados na Amazónia. Num documento publicado no site da Santa Sé, intitulado 'Querida Amazónia', o Papa rejeitou esta proposta que seria histórica na Igreja Católica.

12 Fev 2020 / 13:29 H.

"O modo de configurar a vida e o exercício do ministério dos sacerdotes não é monolítico, adquirindo matizes diferentes nos vários lugares da terra. Por isso, é importante determinar o que é mais específico do sacerdote, aquilo que não se pode delegar. A resposta está no sacramento da Ordem sacra, que o configura a Cristo sacerdote. E a primeira conclusão é que este carácter exclusivo recebido na Ordem deixa só ele habilitado para presidir à Eucaristia", explica o Santo Padre na missiva.

Sobre o papel da mulher na Amazónia, Francisco sublinha que "há comunidades que se mantiveram e transmitiram a fé durante longo tempo, mesmo decénios, sem que algum sacerdote passasse por lá" e que isto "foi possível graças à presença de mulheres fortes e generosas, que baptizaram, catequizaram, ensinaram a rezar, foram missionárias, certamente chamadas e impelidas pelo Espírito Santo".

Porém, prossegue, "este reducionismo levar-nos-ia a pensar que só se daria às mulheres um status e uma participação maior na Igreja se lhes fosse concedido acesso à Ordem sacra. Mas, na realidade, este horizonte limitaria as perspectivas, levar-nos-ia a clericalizar as mulheres, diminuiria o grande valor do que elas já deram e subtilmente causaria um empobrecimento da sua contribuição indispensável".

Recorde-se que, em Outubro do ano passado, bispos católicos pediram a ordenação de homens casados como sacerdotes, uma solução para enfrentar a escassez de clérigos na Amazónia.

A maioria dos 180 bispos de nove países da Amazónia pediu também ao Vaticano para reabrir um debate sobre a ordenação de mulheres como diáconos, sustentando que "é urgente que a Igreja promova e confira na Amazónia ministérios para homens e mulheres de maneira equitativa", de acordo com o documento final, citado pela agência Associated Press.

Temas