Instrutores reforçam conhecimentos sobre modelo de exame de condução

108 instrutores e monitores de escolas de condução-auto das províncias da Huíla, Namibe e Cunene participam, desde terça-feira, no Lubango, numa formação sobre actualização de conceitos teóricos e práticos de instrução, alinhado ao novo modelo de exame de condução.

Luanda /
14 Out 2020 / 11:28 H.

A formação de instrutores, com a duração de 10 dias, promovida pela Direcção Nacional de Trânsito e Segurança Rodoviária (DTSER), enquadra-se ao abrigo do Decreto Presidencial 203/16 de 29 de Setembro, que rege as modalidades e procedimento de ensino de condução e habilitação legal, com a finalidade de melhorar a qualidade de ensino de condução e minimizar os índices de sinistralidade rodoviária no País.

O acto enquadra-se ainda na implementação do novo modelo de ensino e exame por multimédia em atenção ao Decreto-Lei 05/08 de 29 de Setembro do Código de Estrada e o Decreto Presidencial 209/17 de 25 de Setembro sobre a harmonização da finalização da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Ao falar na abertura da actividade, o chefe do departamento de Trânsito e Segurança Rodoviária na Huíla, superintendente António Franco, informou que a Huíla tem 13 escolas de condução em funcionamento.

“A nível da Huíla, 70% dos instrutores não estão habilitados para o efeito. A formação vai capacitá-los a exercer, com zelo e profissionalismo, a tarefa que lhes é incumbida. Só teremos um ambiente rodoviário seguro se os nossos instrutores formarem com qualidade os futuros instrutores”, considerou.

Já o segundo comandante da Polícia Nacional na Huíla, subcomissário Florêncio Ningui, declarou que se pretende preservar a vida e encorajou os formandos a absorver todos os conhecimentos a serem ministrados, para a salvaguarda dos interesses do País e das famílias.

Destacou que quando existe formação no âmbito do condutor, promove para ocorrência de poucos acidentes nas estradas do território nacional.

O novo modelo de exames passa a ser escrito ou em multimédia, o que até então era feito de forma oral para os conteúdos teóricos.

O número de perguntas por cada exame é de 30, com critério de aprovação para os candidatos que acertarem pelo menos 27 questões.

A Huíla é a segunda província, depois de Benguela, a beneficiar da formação. A acção formativa visa preparar os instrutores e estes, por sua vez, preparem os candidatos para avançar aos exames.