MININT regista 505 crimes sexuais no primeiro trimestre de 2022

Durante o primeiro trimestre o País registou 505 crimes sexuais, menos 18 crimes, em relação ao período anterior, tendo destacado as províncias de Luanda, com 200 casos, Benguela (40) Malange (37) Cuanza Sul (27) Huíla (26) Uíge (26), Lunda Norte com 23 casos, números que preocupam o MININT.

Angola /
13 Mai 2022 / 09:52 H.

O Departamento Ministerial encarregue pela ordem e segurança pública do Ministério do Interior (MININT) registou, ao nível do País, 505 casos de crimes sexuais, durante o primeiro trimestre de 2022.

A informação foi avançada pelo Superintendente, Vasco da Gama, Director Nacional Interino do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do MININT durante uma entrevista na Rádio Luanda.

"Os números estão aí e preocupam o executivo que, em homenagem ao princípio da especialidade, Sua Excelência, Ministro do Interior, na qualidade de gestor das políticas públicas de segurança, baixou orientações precisas, para que, de facto, gizássemos um conjunto de acções para contrapor a situação ", disse.

Neste sentido, "o MININT tem estado a realizar, em todo o País, um conjunto de acções, entre diálogo com pastores, padres, professores, estudantes bem como jornalistas com capacidade de influenciar atitudes e comportamentos”, ressaltou.

De acordo com o responsável, "durante o primeiro trimestre o País registou 505 crimes sexuais, menos 18 crimes, em relação ao período anterior, tendo destacado as províncias de Luanda, com 200 casos, Benguela (40) Malange (37) Cuanza Sul (27) Huíla (26) Uíge (26), Lunda Norte com 23 casos, números que preocupam o MININT, sublinhou.

Para terminar, o Superintendente reforçou que "é preciso olhar para os crimes sexuais como um assunto não exclusivo ao Ministério do Interior, por ter Polícia ou SIC, é preciso que cada padre, pastor, professor, jornalista, enfermeiro, ali onde estiver, faça sentir a sua voz, aconselhando às pessoas, consciencializando-as de que, quer a liberdade sexual ou a autodeterminação sexual são bens juridicamente tutelados”, considerou.

Refira-se que, as acções que o MININT está a realizar, em todo o país, visam inverter o quadro no que aos crimes sexuais diz respeito