Estrada Viana /Cemitério/Calumbo já tem orçamento para sua execução

O administrador municipal não precisou a data da conclusão da obra, reservando-se para que sejam bem-feitos todos detalhes técnicos, incluindo com a de colocação de passeios e iluminação pública.

Luanda /
23 Jun 2022 / 10:12 H.

Mais de Três mil milhões de kz é o valor a ser empregue na obra de reabilitação da estrada de 10 kilometros que liga a vila de Viana, Cemitério, até a comuna de Calumbo, informou ontem o administrador municipal Demétrio de Sepúlveda.

Em declarações à imprensa, o gestor do município de Viana anunciou que as obras da responsabilidade do Governo da Província de Luanda (GPL), arrancam já nos próximos dias, a julgar pelos níveis dos trabalhos técnicos de avaliação, que estão a ser feitos pelo empreiteiro, assim como outros detalhes relacionados ao projecto.

O administrador fez este pronunciamento no final de um encontro de concertação e avaliação com os empreiteiros e fiscais, envolvidos na execução das obras do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

“ Existe uma comissão que está a trabalhar e o empreiteiro está em fase de identificação dos pontos onde serão encaminhadas as águas pluviais”, disse.

A morosidade que se regista nos trabalhos, segundo o administrador Demétrio de Sepúlveda, está relacionada com os dois pontos próximos do local para o encaminhamento das águas, assim como da existência de casas a beira da estrada, o que requer muitas cautelas para se evitar transtornos com os proprietários.

No entanto, não precisou a data da conclusão da obra, reservando-se para que sejam bem-feitos todos detalhes técnicos, incluindo com a de colocação de passeios e iluminação pública.

‘’O orçamento é da responsabilidade do Governo da Província de Luanda, por isso, está tudo acautelado para que os trabalhos sejam executados sem constrangimentos’’, salientou.

Relativamente às obras de reabilitação da antiga estrada nacional, da Suave e do Kimbango, precisou que todos os detalhes foram executados, desde a adjudicação e contratação, aguardando-se apenas pela validação da Direcção Nacional do Investimento Público (DNIP) e do Tribunal de Contas para o seu arranque.