Capita segue viagem hoje para o Brasil

O jogador angolano Osvaldo Capembe “Capita”, impedido pelo presidente do Primeiro de Agosto, Carlos Hendrick, de viajar com os demais jogadores da selecção angolana de futebol em sub-17, para disputar o mundial da categorial, segue viagem hoje. O impedimento ocorre quando se preparava para fazer o check-in, no aeroporto 4 de Fevereiro.

Brasil /
11 Out 2019 / 00:19 H.

A viagem acontece depois de diligências feitas para que o clube militar “soltasse” o jovem jogador de 17 anos. O presidente da Primeiro de Agosto justificou a “retenção” do jogador com o facto de ele estar supostamente vinculado ao clube que dirige e estar a contas com um processo disciplinar por se recusar a disputar os jogos da equipa.

"É um mau exemplo para os seus colegas que estão na academia. O Capita é um indivíduo que foi trabalhado para ser disciplinado. Não treina há três ou quatro três meses e não joga, não tem condições para estar na selecção", afirmou à Rádio 5 Carlos Hendrick.

Diante da justificação do clube militar, a ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento Neto, repudiou a atitude da Federação Angolana de Futebol (FAF), em ter permitido que o atleta fosse impossibilitado de embarcar com o grosso da equipa.

Segundo Ana Paula Sacramento, a acção do Primeiro de Agosto contraria o despacho de autorização de viagem exarado pelo Ministério da Juventude e Desportos. “O jogador tem autorização do Estado angolano para embarcar com a selecção”, disse a ministra, que salienta antes de dizer que ninguém pode “matar” a carreira do atleta: “A nossa decisão é que, em Angola, a criança e os adolescentes são prioridade absoluta. E, tendo a Federação um despacho de missão de saída para o exterior do País, relacionada a selecção nacional, competia à Federação colocar o jogador no avião”.

Do seu lado, o presidente da Federação Angolana de Futebol, Artur Almeida, disse ter permitido que o Primeiro de Agosto prosseguisse com a acção, alertando, porém, para as consequências daí decorrentes. Face ao cenário, a direcção do clube militar fez um comunicado no qual informa que “o Primeiro de Agosto não coloca qualquer obstáculo à sua integração na selecção nacional sub-17, tendo em conta os superiores interesses do futebol nacional”. A par disso, o clube diz estar surpreendida com o facto de o jogador ter viajado a Portual e, mais do que isso, firmar um pré-acordo com a equipa local da terceira divisão Trofense, conforme publicado no fecebook deste clube.