Vila Nova elogia sapiência dos angolanos na conquista da paz definitiva

Foi um marco muito inspirador e ensinamento para África e o mundo”, afirmou o Chefe de Estado são-tomense, que destacou os “excelentes laços históricos de amizade e irmandade” entre os dois povos, desde os primórdios da luta pela Independência.

Luanda /
10 Mai 2022 / 12:55 H.

O Presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova elogiou, ontem em Luanda, a sapiência e maturidade dos angolanos na conquista da paz definitiva em 2002, salientando que a proeza testemunha a capacidade de harmonizar posições desavindas.

Ao discursar na reunião plenária solene convocada por ocasião da visita de Estado de três dias ao país, Carlos Manuel Vila Nova considerou o 4 de Abril, consagrado à Paz e à Reconciliação Nacional (4 de Abril de 2002) como a mais decisiva conquista do povo angolano do pós-Independência.

“Foi um marco muito inspirador e ensinamento para África e o mundo”, afirmou o Chefe de Estado são-tomense, que destacou os “excelentes laços históricos de amizade e irmandade” entre os dois povos, desde os primórdios da luta pela Independência.

Entre os vários testemunhos de fraternidade demonstrados por Angola, Carlos Vila Nova destacou o contributo na formação das forças de Defesa e Segurança são-tomenses em 1980, quando estas se encontravam ainda no estado embrionário.

Defendeu, a propósito, a pacificação de África e o diálogo como principal instrumentos para a resolução dos conflitos armados. Sublinhou que África, pelas riquezas dos solos e subsolos, recursos marinhos, juventude, cultura vibrante, património material e imaterial deve tornar-se numa “verdadeira” frente mundial de desenvolvimento.