Sondagem diz que 85% dos socialistas apoiam recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa

A avaliação positiva da actuação do actual Presidente da República é o motivo para o apoio dos eleitores socialistas, sendo que 69% consideram que tem sido “boa” e 30% dão “muito boa” nota, segundo uma sondagem divulgada Nesta segunda-feira pela TSF.

Lisboa /
01 Jun 2020 / 11:53 H.

A maioria dos eleitores do PS dizem que vão votar no Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, revelou uma sondagem realizado pela Pitagórica para a TSF e JN. O inquérito aponta que 85% dos inquiridos que dizem votar no PS consideram que o partido devia apoiar a recandidatura do actual Presidente da República.

Além do PS, 75% dos eleitores do Bloco de Esquerda também pensam que o apoio a Marcelo Rebelo de Sousa deve ser o caminho escolhido pelo PS, 65% de inquiridos do PSD concordam e, entre CDU e CDS, a ideia de que o PS deve apoiar a recandidatura de Marcelo ultrapassa os 50% de opiniões favoráveis.

A avaliação positiva da actuação do actual Presidente da República é o motivo para o apoio socialista, sendo que 69% consideram que tem sido “boa” e 30% dão “muito boa” nota.

As avaliações positivas seguem e é entre os eleitores de esquerda que Marcelo se destaca com apreciações positivas (acima dos 70% entre os eleitores do Bloco de Esquerda e da CDU), enquanto junto da área política a que pertence (PSD/CDS), os resultados são menos efusivos, apesar de ultrapassarem os 50%.

Questionados sobre a confiança no primeiro-ministro, quase metade dos inquiridos dizem ter “igual confiança no Presidente da República e no primeiro-ministro” e 74% aprovam a forma de governar Portugal do actual Executivo, com destaque para uma aprovação acima de 70% entre os eleitores de esquerda, e com a aprovação de mais de metade dos inquiridos que dizem votar no PSD e no CDS.

Noutro inquérito divulgado no domingo sobre as intenções de voto, numa sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias e TSF, o PS atinge 44,8% na preferência dos eleitores, cada vez mais longe do PSD que atinge os 24,1%.

Os dados demonstram também que o Chega, mesmo em queda, consegue passar para terceiro (6,4%), ultrapassando o BE (6,1%). A CDU entra na luta pelo pódio com 5,8% e é seguida do PAN com 3,3%, o CDS, que estanca as perdas (2,8%), e a Iniciativa Liberal, em baixa (1,6%).