Serviço penitenciário quer diminuir crise alimentar

A Direcção Provincial do Serviço Penitenciário no Cuando Cubango está a trabalhar na busca de soluções possíveis que contribuam para diminuir a crise alimentar e aumentar a produção interna da população penal, garantiu o director provincial do Serviço de Migração e Estrangeiros, subcomissário de migração Laureano Dias dos Santos.

Luanda /
16 Nov 2020 / 15:01 H.

O responsável falava na abertura da campanha agrícola 2020/2021, no destacamento Prisional da comuna do Missombo, em Menongue, em representação do delegado do Ministério do Interior, comissário José Alberto Tchinhama.

O responsável destacou os avanços que o sector produtivo tem alcançado, apesar das dificuldades.

O acto decorreu sob o lema "Firme na Humanização, Consolidemos o Sistema Produtivo Penitenciário".

O subcomissário José Bravo Domingos, director provincial do Serviço Penitenciário, informou que a instituição controla 1.156 hectares de terra, estando a ser explorados apenas 32, por falta de meios de transporte, recursos materiais e financeiros.

Segundo o responsável, na produção do ano agrícola 2019/2020 foram colhidos 13.122 quilos de cereais e hortícolas, sendo que a previsão de colheita era de 20 mil, meta não atingida devido ao excesso de chuva, que afectou mais de 76% das culturas.

Quanto às perspectivas para o ano agrícola 2020/2021, o subcomissário prisional disse que pretende duplicar o cultivo e a colheita para 40 mil quilos para superar a colheita do ano passado, apostar no cultivo dos produtos como milho, mandioca, jinguba, feijão, batata-rena, arroz, cebola, tomate, couve, repolho e outros.

Na Lunda-Sul, a abertura do ano agrícola no Estabelecimento Penitenciário do Luzia, em Saurimo, realizou-se no sábado e foi orientado pelo director provincial da Logística do Ministério do Interior, superintedente chefe Eliseu Xavier, em representação do delegado do Ministério do Interior.

O responsável manifestou-se satisfeito com a evolução dos campos.

"É necessário que se aproveitem os recursos hídricos, principalmente o rio que passa ao lado da instituição, para apostar em horticultura, leguminosas, tubérculos e fruticultura, pois é notória a presença de terras férteis", disse.