Presidente do sindicato dos médicos diz-se vítima de perseguição

O presidente do Sindicato Nacional dos Médicos, Adriano Manuel, denunciou, em Luanda, estar a ser vítima de perseguição por parte do Ministério da Saúde, que lhe moveu um processo disciplinar para o silenciar.

Luanda /
14 Jul 2020 / 15:24 H.

Segundo Adriano Manuel, o processo disciplinar em curso foi-lhe movido no intuito de o silenciar, por denunciar várias irregularidades, registadas no setor da saúde e não concordar com os números divulgados pelo Ministério da saúde sobre a pandemia da COVID-19.

Para o médico, que alerta para a falta de pessoal médico e de materiais de biossegurança nos hospitais do País, a COVID-19 já tem uma larga circulação comunitária em Angola, facto ainda não reconhecido pelas autoridades sanitárias de Luanda, que iniciaram o rastreio da pandemia nas zonas de risco, e não só, na capital do País e no Cuanza Norte.

Entretanto, num relatório divulgado esta segunda-feira, a ONG Amnistia Internacional revela que mais de três mil profissionais de saúde perderam a vida em todo o mundo, desde o início da pandemia.

A organização não governamental pede que os governos sejam responsabilizados pela morte dos profissionais de saúde durante o período da pandemia da COVID-19.

O presidente do sindicato dos médicos, Adriano Manuel, considera que os profissionais de saúde em Angola lançaram alertas e continuam a pedir ao governo melhores condições de trabalho.