PR diz que teve “razões de peso” para anular projecto da marginal da Corimba

Angola /
19 Mai 2019 / 12:19 H.

João Lourenço não se alongou sobre o assunto, sublinhando, contudo, que o projeto vai avançar, “independentemente dos construtores”.

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou que a anulação do concurso para a construção da marginal da Corimba, por si decretada na sexta-feira, teve na base "razões de peso", sublinhando, porém, que a obra vai avançar.

Falando aos jornalistas à margem da abertura do “Presidential Golf Day”, que decorreu no Campo dos Mangais, na Barra do Kwanza, 60 quilómetros a sul de Luanda, João Lourenço não se alongou sobre o assunto, sublinhando, contudo, que o projeto vai avançar, “independentemente dos construtores”.

Na sexta-feira, através de um despacho, o chefe de Estado angolano anulou o contrato de implementação do Projeto da Marginal da Corimba, no valor de 1.300 milhões de dólares (1.160 milhões de euros), assinado em 2016 pelo então Presidente José Eduardo dos Santos, alegando terem sido verificadas “sobrefaturações” e “serviços onerosos para o Estado”.