Ordem dos Advogados quer deputados “fora” da advocacia

“Os operadores da Justiça ficam constrangidos, sem saber se devem tratar os referidos cidadãos como advogados ou como deputados”, realçou o bastonário da Ordem dos Advogados.

Luanda /
13 Mai 2022 / 10:38 H.

O bastonário da Ordem dos Advogados de Angola (OAA), Luís Paulo Monteiro, defendeu ontem em Luanda, a proibição do exercício de advocacia por parte de deputados à Assembleia Nacional, para se evitar constrangimentos administrativos e se conferir maior lisura aos actos jurídico-legais.

Luís Paulo Monteiro, que falava à imprensa no final da visita de auscultação de deputados da 1ª Comissão dos Assuntos Constitucionais à Ordem dos Advogados de Angola, reconhece não haver violação à Lei, mas avança que há constrangimentos quando os cidadãos, que exercem função legislativa, se apresentam nas instituições de administração da Justiça como advogados.

“Os operadores da Justiça ficam constrangidos, sem saber se devem tratar os referidos cidadãos como advogados ou como deputados”, realçou o bastonário da Ordem dos Advogados.

Acrescentou que as situações provocam constrangimentos a todos, desde procuradores, juízes, advogados e outros operadores de Justiça, que, perante a situação, ficam embaraçados em tratar cidadãos, que também são deputados, em “pé de igualdade” a outros cidadãos advogados.