Mini-cimeira estabelece cessar-fogo no leste da RDC a partir de sexta-feira

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, disse que o cessar-fogo será seguido do acantonamento das forças do M23, o seu desarmamento e a integração na sociedade congolesa

Luanda /
24 Nov 2022 / 10:08 H.

A mini-cimeira para a paz na República Democrática do Congo (RDC) determinou, ontem, o estabelecimento do cessar-fogo no leste daquele país a partir das 18h00 da próxima sexta-feira (25).

A informação foi prestada pelo Presidente da República de Angola e mediador do processo, João Lourenço, no final do encontro que reuniu estadistas ou seus representantes na capital angolana.

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, disse que o cessar-fogo será seguido do acantonamento das forças do M23, o seu desarmamento e a integração na sociedade congolesa.

Afirmou ser um passo curto, mas de grande significado.

João Lourenço informou, igualmente, que o processo tem um calendário que se procurará cumprir à risca.

Admitiu a possibilidade de se introduzir alterações para corrigir-se eventuais situações até ao alcance da paz definitiva e a normalização das relações entre a RDC e o Rwanda.

A mini-cimeira, realizada por iniciativa do Estadista angolano, contou com a presença dos Presidentes da RDC, Félix Tshisekedi, do Burundi, Évariste Ndayishimiye, do ministro dos Negócios Estrangeiros do Rwanda, Vicent Biruta, e do antigo Estadista queniano, Uhuru Kenyatta.

Também participaram da reunião, que ditou o ultimato para a retirada do M23 das zonas ocupadas no leste da RDC, a representante especial do Presidente da Comissão da União Africana, Michelle Ndiaye, o secretário executivo da Conferência Internacional da região dos Grandes Lagos, João Caholo e o comandante do mecanismo de verificação ad hoc, tenente general Nassone João.