Isaías Samakuva continua em silêncio em relação ao seu futuro

O presidente da UNITA, Isaías Samkuva, continua em silêncio em relação ao seu futuro à frente do partido que lidera desde 2003, altura em que venceu em congresso o general Paulo Lukamba Gato e Dinho Tchingunji.

Luanda /
14 Ago 2019 / 11:44 H.

O silêncio de Isaías Samakuva dá-se numa altura em que, em Agosto de 2017, prometeu deixar a liderança do partido, com ou sem vitória nas eleições-gerais, reiterando as mesmas palavras em Setembro do mesmo ano, mas continua na liderança.

Nas hostes do partido, várias figuras dão como certa a saída do líder da UNITA, tendo como base as promessas feitas, mas o silêncio vai deixando “reticências” inclusive a quem deu o voto de confiança às palavras do líder. As dúvidas “aguçaram-se” depois de Isaías Samakuva admitir, ao Público, encabeçar a lista da UNITA às eleições-gerais de 2022, mesmo sem ser presidente do partido, sendo que, para tal, seria preciso alterar os estatutos.

Esta afirmação, entretanto, já mereceu o repúdio de muitos, nomeadamente do antigo secretário-geral do partido, Abílio Kamalata Numa, para quem é costume os africanos fazerem arranjos aos estatutos, ou às constituições, com vista a eternizarem-se no poder. Kamalata Numa, ao Vanguarda, disse nada ter a ver com a forma como Samakuva gere a sua imagem, se contribui ou não para a sua credibilidade, mas o incumprimento da palavra dada seria “mau” para a imagem do partido.

De qualquer forma, vai se esgotando o tempo de “black outo” para Samakuva, pois é inevitável que volte a pronunciar-se sobre o seu futuro pelo menos até antes de Outubro. Na reunião de ontem, no Sovismo, em Viana, o partido escusou-se de produzir um comunicado por ter sido inconclusiva, sendo o seu epílogo marcado para esta sexta-feira, 16. O congresso terá lugar de 13 a 15 de Novembro, em Luanda.