Fogo cruzado entre líder da UNITA e Rui Galhardo na busca de justiça

Depois de lavada à roupa suja na praça pública, é hora e vez do guardião da justiça, a PGR pôr ordem no “galinheiro”, fazendo jus as partes. Urge reparar a ofensa à honra e ao bom nome.

Luanda /
21 Abr 2021 / 09:50 H.

O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior (ACJ) formalizou, nesta semana, junto da Procuradoria-Geral da República o processo-crime contra o cidadão Rui Galhardo Silva, militante do seu partido por “declarações aleivosas”.

Rui Galhardo Silva acusou Adalberto Costa Júnior de tentativa de assassinato durante as festividades do 55º aniversário da fundação da UNITA, que decorreram a 13 de Marco, na província do Uíge.

Em nota de imprensa, o maior partido na oposição diz que, são substantivas as provas materiais reunidas, que se encontram em suporte “audiovisual e doutra natureza”, entregues em anexo ao processo que deu entrada junto daquele órgão de promoção da justiça penal em Angola. “A assessoria de imprensa da Presidência da UNITA leva ao conhecimento da opinião pública que uma equipa de advogados procedeu a entrada junto da PGR do processo-crime contra o Sr. Rui Galhardo Silva que no passado dia 18 Março proferiu declarações aos órgãos de comunicação social, imputando expressões aleivosas contra o Eng. Adalberto Costa Júnior, presidente da UNITA”, indica o “galo negro” em comunicado de imprensa.

À bem da verdade, o procedimento ora adoptado, explica a UNITA, visa buscar não só a justiça como tal mas também serve à promoção de relações humanas mais sadias de modo a trazer a prática, o principio de “sujeição da política a ética” defendido por aquele partido desde a sua fundação em 1966, uma forma de elevar a política a patamares desejados. “O vale tudo não serve a nação. O debate de ideias, sim”, alerta a UNITA.

Processo-crime pode ser um nado morto

O coordenador do Observatório Eleitoral Angolano, Luís Jimbo, admite que está-se diante de um processo embrionário que pode ser longo. Uma acção que chama de “politiquices” com impacto no jornalismo em período eleitoral. “Adivinho que o processo não possa andar”, disse desconfiado o também analista político. “Apresentação da queixa-crime da UNITA contra o Sr. Rui Galhardo abrirá um debate jurisconsulto que tem a ver com facto de ter havido ou não apresentação de uma outra queixa-crime contra Adalberto Costa Júnior depois da denúncia pública feita em comunicação de imprensa por Rui Galhardo”, observa Luís Jimbo.

A conclusão para aquele analista pode ser das duas, uma: se Rui Galhardo apresentou queixa-crime a consequência jurídica será de que aqueles factos não podem ser apresentados em tribunal novamente pelo que a UNITA e o seu líder têm oportunidade de contestar durante as fases do processo, mas se Rui Galhardo acusou publicamente e não recorreu aos tribunais a PGR terá obrigação de acusa-lo de difamação e calúnia pública, inclusive os órgãos de comunicação social que divulgaram a informação serão chamados a prestar declarações, para se perceber até que ponto não terão agido na intenção de difamar ou se os pressupostos da lei de imprensa foram assegurados.

Um mar de acusações

Rui Galhardo, antigo assessor de Jonas Savimbi, militante da UNITA, acusou Adalberto da Costa Júnior de ser um “moralista sem moral” e de estar a “conduzir a UNITA para o abismo”.

Em conferência de imprensa a 18 de Março, Rui Galhardo alegou ter sido humi-lhado no dia 13, na província do Uíge, onde pretendia participar nas festivi-dades do 55° aniversário daquele partido.

Galhardo que acusou igualmente o líder dos “maninhos” como pedófilo, referiu que a UNITA tem um mau presidente por ter alegadamente muitos passivos, es-tando envolvido presumivelmente em grandes escândalos financeiros por ter negócios com a maior parte dos marimbondos.

Rui Galhardo diz ter sido acusado pelo presidente da UNITA de ter tido duas armas de fogo no acto de celebração dos 55º da fundação daquele partido. Uma acusação que terá sido feita por Adalberto Costa Júnior durante uma entrevista concedida à rádio MFM. “Isto deve ser um filme de ficção, é uma

mera brincadeira, e ficou provado, mais uma vez, que o Adalberto é um mentiroso compulsivo”, atirou.