Denunciado plano “macabro” de ingovernabilidade

O Chefe de Estado fez a denúncia durante a abertura da 12ª sessão ordinária do Conselho de Ministros, a primeira deste ano. Referiu que a manifestação serviu de pretexto para o aproveitamento político, com vista a criar a ira dos cidadãos utilizadores desses meios de transporte urbano

Luanda /
13 Jan 2022 / 11:47 H.

O Presidente da República, João Lourenço, afirmou, esta quarta-feira (12), em Luanda, que os actos de arruaça ocorridos na segunda-feira, na capital do País, durante a manifestação realizada pelos taxistas, apontam para a materialização de um plano “macabro” de ingovernabilidade, através do fomento da vandalização de bens públicos e privados, incitação à desobediência e à rebelião, na tentativa da subversão do poder democraticamente instituído.

De acordo com o Jornal de Angola ,o Chefe de Estado fez a denúncia durante a abertura da 12ª sessão ordinária do Conselho de Ministros, a primeira deste ano. Referiu que a manifestação serviu de pretexto para o aproveitamento político, com vista a criar a ira dos cidadãos utilizadores desses meios de transporte urbano.

"O que ocorreu na segunda-feira foi um verdadeiro acto de terror, cujas impressões digitais deixadas na senda do crime são bem visíveis e facilmente reconhecíveis”, realçou, saudando a postura da Polícia Nacional, ao evitar enfrentar os autores dos actos de rebelião praticados naquele dia.

"Naquele fatídico dia, valeu-nos o facto de a Polícia Nacional ter agido com bastante contenção e as entidades privadas, singulares e colectivas, directamente lesadas, terem-se comportado como verdadeiros patriotas, tolerantes e responsáveis”, salientou.

O Chefe de Estado apelou, "veementemente”, aos cidadãos, de uma maneira geral, a se absterem de qualquer retaliação pelos actos ocorridos e aos que viram os seus patrimónios vandalizados, queimados ou destruídos a não pagarem pela mesma moeda.