Congresso do MPLA com ausências notáveis e aposta na renovação

O sétimo congresso extraordinário do MPLA realiza-se no sábado, 15, em Luanda, e , a dois dias do evento, paira a dúvida se o presidente honorário do partido no poder, José Eduardo dos Santos, estará presente.

Angola /
13 Jun 2019 / 16:55 H.

Ao que se sabe, Santos continua em Espanha, para onde se deslocou em Abril passado para tratamento médico e cujo regresso devia acontecer cerca de um mês depois. Não há qualquer informação sobre o assunto.

A fonte que integra a comissão de organização do congresso declarou que o ex-líder partidário “está convidado a acompanhar todos os debates do princípio ao fim”.

Para além da ausência óbvia da deputada Tchizé dos Santos, filha de José Eduardo dos Santos e crítica de João Lourenço, outras conhecidas figuras da direcção do partido no poder que também não deverão estar presentes no encontro do Complexo Turístico Futungo 2, são o deputado e antigo ministro da Comunicação Social, Manuel Rabelais e o ex-porta-voz do partido, Norberto Garcia.

Para o seu congresso extraordinário, o MPLA agendou três temas que vão animar os debates dos congressistas, designadamente “os ajustamentos pontuais aos Estatutos do partido”, “o processo eleitoral e alargamento do Comité Central” e a “Aprovação de uma Resolução Geral”, além das habituais moções de apoio.

Os debates serão realizados em plenária e não em comissões como tem sido hábito e neles participam, e com direito a voto, os 2.591 delegados que estiveram presentes no sétimo congresso ordinário realizado em 2016 , que reconduziu José Eduardo dos Santos no cargo de presidente.

Os ausentes no evento de então não serão substituídos.

O encontro, que vai decorrer sob o lema “MPLA e os desafios do futuro-Processo Autárquico” deverá eleger 134 novos membros para o Comité Central, maioritariamente jovens com até 45 anos de idade, num total de 497.