Centros integrados vão apoiar famílias em situação de pobreza

A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves, disse que os centros vão tornar mais eficiente e célere a resolução dos problemas das famílias em situação de vulnerabilidade

13 Jan 2021 / 09:42 H.

A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher declarou, segunda-feira, na cidade do Sumbe, província do Cuanza-Sul, que a abertura de centros de acção social integrados nos municípios do País vai assegurar o registo de famílias em situação de pobreza.

Faustina Alves, que falava durante a cerimónia de inauguração do Centro de Acção Social Integrado (CASI) do bairro da Pedra I, arredores da cidade do Sumbe, explicou que a ideia é criar um instrumento de âmbito municipal e local, onde a Administração Municipal faz o cadastro e registo de todas as pessoas que carecem de assistência em situação de risco. "Os Centros de Acção Social Integrados vão facilitar a identificação das famílias e o tipo de carência ou necessidade que as mesmas atravessam, tornando eficiente e célere a resolução dos problemas e a distribuição dos bens disponíveis", explicou a ministra, acrescentando que os centros vão, através de uma base de dados, ajudar o Departamento Ministerial no controlo dos bens disponíveis.

Faustina Alves esclareceu que os casos de famílias vulneráveis serão avaliados por técnicos especializados e os dados serão lançados numa base de dados. "Segundo as prioridades, o problema é solucionado a favor da pessoa ou família carente", disse.

À semelhança do município do Sumbe, Mussende era outra localidade da província do Cuanza-Sul a beneficiar de um Centro de Acção Social Integrado. A ministra garantiu que o projecto será implementado em todo o País.

A visita da ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher ao Cuanza Sul termina hoje. À sua chegada ao Sumbe, Faustina Alves foi recebida, no salão nobre do Governo, pelo governador Job Capapinha, que na ocasião pediu maior dinamização das acções com vista a redução dos índices de pobreza na região.

No Sumbe, a ministra visitou o projecto lançado pelo Instituto de Reinserção Social dos Ex-Militares (IRSEM), o Lar da Terceira Idade do bairro Chingo e reuniu com quadros do Gabinete de Acção Social e Igualdade do Género do Cuanza-Sul.

No final da conversa com os idosos, Faustina Alves fez a entrega de bens alimentares, bicicletas, cadeiras-de-roda, muletas e rádios a pilha. Outros bens foram entregues ao Governo do Cuanza-Sul para serem distribuídos nos 12 municípios da província.

Combate à fome e à pobreza

No primeiro dia da visita ao Cuanza-Sul, a ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher mostrou-se preocupada com a fraca execução dos programas, projectos e acções de combate à fome e à pobreza.

"É importante haver honestidade na aplicação dos recursos disponibilizados pelo Orçamento Geral do Estado, bem como é imperioso articular trabalhos com os quadros das várias áreas das administrações municipais", afirmou, exigindo maior transparência na execução das acções.

No município do Mussende, a ministra vai inaugurar um centro de formação profissional feminino e uma estação de tratamento de água. Hoje, Faustina Alves desloca-se ao município do Ebo, onde na comuna do Conde, vai fazer a entrega de tractores às cooperativas agrícolas de ex-militares.

O acto será testemunhado pelo governador Job Capapinha, pelo secretário de Estado para Acção Social, Lúcio Amaral, pelo director-geral adjunto do IRSEM, João Ventura e alguns quadros seniores dos ministérios da Agricultura, Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), do Banco de Desenvolvimento Angolano (BDA), e do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrário (FADA).