Bancos alemães desafiados a financiarem projectos estruturantes em Angola

Os sectores da energia e águas, transportes, ferrovias, indústrias siderúrgica e de aço, estão abertos para aporte de investimentos privado alemão, bem como para parcerias público-privadas.

Angola /
07 Fev 2020 / 15:36 H.

Durante a visita de Angela Merkel a Angola, na manhã desta sexta-feira (7), o Presidente angolano apontou áreas chaves da economia nacional abertas ao capital público e privado da maior economia da Europa.

Os sectores da energia e águas, transportes, ferrovias, indústrias siderúrgica e de aço, estão abertos para aporte de investimento privado alemão, bem como para parcerias público-privadas.

O anúncio feito pelo Presidente da República, quando discursava no Palácio da Cidade Alta, inclui também a abertura para investidores da maior economia europeia a iniciativa de concorrerem à concessão do Caminho de Ferro de Benguela.

As oportunidades são abrangentes, desde a expansão de rede eléctrica em determinadas regiões do País, a construção de um metro de superfície para Luanda, a construção de uma fábrica de papel moeda, bem como o apetrechamento com equipamentos para a Marinha de Guerra Angolana.

No entanto, João Lourenço manifestou para Angela Merkel que o tempo é propício para que bancos alemães de primeira linha comecem a financiar projectos em sectores estruturantes da economia angolana, tanto nos sectores indicados como noutros de interesse livre de investidores germânicos, tendo apontado a agricultura e as pescas como dois sectores que interessam muito ao governo angolano.

Merkel deixou garantias de tudo fazer para que os interesses mútuos se cruzam no âmbito das parcerias traçadas.

A mulher mais importante da Europa anunciou durante o oitavo Fórum Económico Angola-Alemanha, realizado hoje, em Luanda, que o seu país pretende promover, para breve, uma cimeira União Europeia-União Africana visando um maior aprofundamento da cooperação em todos os domínios entre países dos dois continentes.

Os cinco maiores bancos alemães, nomeadamente, Deutsche Bank, DZ Bank, Grupo KfW, Commerzbank, UniCredit Bank, possuem activos acima dos 3.457 mil milhões de dólares norte-americanos.

Os referidos bancos promovem linhas de financiamento para projectos estruturantes em países africanos, desde a construção de infraestruturas nos diferentes sectores, como aeroportos, portos, ferrovias, construção de barragens hidroeléctrica, expansão de redes de electricidade, parques eólicos e até no desenvolvimento da economia azul e na agricultura.