AN destaca modernização tecnológica da comunicação social

O presidente da Assembleia Nacional (AN), Fernando da Piedade Dias dos Santos, destacou nesta segunda-feira os progressos e conquistas no domínio da modernização tecnológica dos órgãos de comunicação social, sua expansão no território nacional e a aposta no processo de formação de uma consciência livre.

Luanda /
22 Jun 2020 / 18:20 H.

Ao discursar na abertura do Seminário de Capacitação dos Deputados, promovida pela Comissão de Cultura, Assuntos Religiosos, Comunicação Social e Juventude e Desportos, (7.ª CTE), Fernando da Piedade Dias dos Santos, elogiou a forma pedagógica assumida pela ERCA que enfatiza a necessidade de assumpção, pelos profissionais da comunicação, de uma ética e deontologia própria no exercício da arte de comunicar.

De acordo com o titular da AN, os desafios neste sentido são enormes, tendo em conta a variedade de veículos de comunicação, as facilidades, velocidade de transmissão e de conteúdos.

Neste sentido, acresceu ele, não posso deixar de assinalar que a tentação do aproveitamento menos indicado de tais veículos, por parte de algumas pessoas, que se aproveitam das vantagens oferecidas pelas tecnologias de informação para denegrir os outros.

De acordo com o responsável, a sociedade tem sido bastante abundante em episódios com estes desafios que colocam em confrontação a liberdade de informação e as liberdades individuais.

O presidente da Assembleia Nacional fez saber que a regulação foi uma das soluções encontradas pela AN com a aprovação de diplomas legais, contendo soluções progressistas, incluindo a protecção social dos profissionais.

“Temos consciência das dificuldades na implementação de medidas de políticas resultantes destes diplomas legais, assegurando o trabalho contínuo”, disse.

Por outro lado, adiantou que o País precisa do esforço combinado e organizado de todos, trazendo à ribalta, iniciativas formais geradoras de emprego e renda.

Frisou que para a independência económica do País os jovens são convocados para o empreendedorismo Juvenil, onde devem despontar “startups” que venham massificar e democratizar, ainda mais, o acesso à informação e formação cultural da nossa gente.