Reforma de mentalidades: uma estratégia para cumprir os Mandamentos de Deus

Eu não sou perfeito. Talvez nenhum de nós seja. Às vezes, nos esquecemos de quem somos - não o nosso nome - mas o âmago de quem somos.

09 Jan 2020 / 15:01 H.
Edgar Leandro Avelino

Então, depois de uma noite relaxante de 25, sentei-me na sala e lembrei-me de quem eu sou. Os estudiosos ficam profundamente satisfeitos quando as suas ideias se repetem. E ficam ainda mais satisfeitos quando as suas ideias fazem a diferença - melhorando a motivação, a inovação ou a produtividade, por exemplo. Mas a popularidade tem um preço: às vezes as pessoas distorcem ideias e, portanto, deixam de colher os seus benefícios. Indivíduos que acreditam que os seus talentos podem ser desenvolvidos (através de muito trabalho, boas estratégias e contribuição de outras pessoas) têm uma mentalidade de crescimento. Eles tendem a alcançar mais do que aqueles com uma mentalidade mais estática (aqueles que acreditam que os seus talentos são dons inatos).

Isto ocorre porque eles preocupam-se menos com a aparência inteligente e investem mais energia no aprendizado. Quando as empresas adoptam uma mentalidade de crescimento, os seus trabalhadores relatam sentir-se muito mais capacitados e comprometidos; eles também recebem muito mais apoio organizacional para colaboração e inovação. Por outro lado, as pessoas dentro de uma organização com mentalidade estática relatam mais de apenas uma coisa: simulações e hipocrisia entre funcionários, presumivelmente para obter vantagem na escolha de talentos. A “mentalidade de crescimento” tornou-se um fator chave em muitas empresas importantes, chegando até mesmo às declarações de missão e valor. Mas, é bem verdade também, que, frequentemente descubro que a compreensão das pessoas sobre a ideia é limitada. Qualquer jornada, por muito longa que seja, tem de começar por algum lado. Qualquer jornada, por muito gloriosa que seja, pode começar com um erro. Então, quando se sentirem perdidos, não se preocupem. Deus não desistirá. Já conhecemos a tirania em algumas partes do mundo. Uma tirania não só da repressão, e da opressão ou do terror. Uma tirania de estruturas económicas injustas...que criam grandes desigualdades, onde vinte por cento da população mundial consome recursos a um ritmo que priva as nações pobres e as gerações futuras, do que precisam para sobreviver. Tal como o mandamento ‘‘não matarás’’ define limites claros para salvaguardar o valor da vida humana, actualmente, também temos de dizer ‘’não’’ a uma economia de exclusão e desigualdade que idolatra o dinheiro. Todos os angolanos e angolanas são chamados a ser um instrumento de libertação. A libertação e promoção das classes mais pobres. A libertação e promoção para uma reforma de mentalidades. Por vezes, é tão difícil olharmos além de nós próprios e deixarmos de ser egoístas. Porque pensamos: ‘‘quero ser um ídolo’’ serei amado ‘‘serei o senhor’’. Sabeis, pois, que não é assim. Só há um Senhor. Lá em cima. Mentalidade é tudo. Se essa afirmação parecer muito forte, considere que trago essas suposições básicas para todas as decisões e ações que tomamos. Se não forem examinadas, elas podem desnecessariamente restringir-nos ou levar-nos na direcção errada. A percepção pode não ser uma realidade, mas quando se trata de como abordamos desafios e oportunidades, a mentalidade determina o mundo que encontramos e as possibilidades que apreendemos. Alcançar o poder da atracção exige que explicitemos as nossas suposições e as examinemos em diferentes contextos - testando, desafiando e refinando. Adaptar-se à Grande Mudança e aproveitar o potencial da atracção exige a adopção de uma nova mentalidade. Esta frase centrar-se-á em outro conjunto importante de suposições. Para dizer: Construam pontes, não muros. (Build bridges not walls).