Violência na África do Sul: Não há casos confirmados de angolanos

Cinco mortos e quase 200 detidos é o último balanço da onda de ataques contra estrangeiros em Joanesburgo, na África do Sul. Entretanto, não há casos confirmados envolvendo cidadãos moçambicanos e angolanos, mas representantes no país apelam à calma.

04 Set 2019 / 10:09 H.

David Makhura, governador da província de Gauteng, que engloba as cidades de Joanesburgo e de Pretória, garante que a recente onda de violência contra estrangeiros, que já fez cinco vítimas mortais desde domingo último, é obra do “crime organizado”.

Dizer que o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, já condenou a violência dirigida essencialmente a imigrantes, sobretudo africanos, que resultou na detenção de pelo menos 189 pessoas.

Também o presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, condenou estes ataques, pedindo protecção para potenciais vítimas e suas propriedades no país. Num comunicado divulgado na página da União Africana, o presidente “solicita novas medidas imediatas para proteger as vidas das pessoas e as suas propriedades, assegurar que todos os perpetradores são responsabilizados pelos seus actos e que a justiça seja feita para aqueles que sofreram perdas”.

No documento, Moussa Faki Mahamat declarou estar “incentivado pelas detenções” já realizadas pelas autoridades sul-africanas.

Temas