Trump diz que processo de destituição foi “uma caça às bruxas”

Donald Trump ressalvou ainda que “esta situação [de destituição] nunca mais deve acontecer a outro presidente”. “Não sei se outros presidentes iam conseguir aguentar, mas é preciso concentração porque as coisas são divulgadas muito rapidamente”, sublinhou.

07 Fev 2020 / 09:12 H.

Donald Trump, presidente dos EUA, sublinhou no seu discurso na Casa Branca que esta o processo de destituição “tem sido uma situação injusta” e que “se olharmos para os anos que passaram, observou-se uma caça às bruxas”.

O empresário declarou que a perseguição política começou “no dia em que eu e a futura primeira-dama descemos do elevador” e que desde então “nunca mais parou”. Trump esclareceu que há muito que o querem fora da presidência, um processo que “já dura há três anos” e que o tratou como o mau da fita, envolvendo “mentirosos”.

Donald Trump ressalvou ainda que “esta situação [de destituição] nunca mais deve acontecer a outro presidente”. “Não sei se outros presidentes iam conseguir aguentar, mas é preciso concentração porque as coisas são divulgadas muito rapidamente e não interessa quem temos connosco”, sublinhou.

“Isto teria sido um desastre se eu não tivesse demitido James Comey [antigo director do FBI], que ele próprio foi um desastre, e é possível que a esta altura eu já não tivesse aqui”, apontou, acrescentando que “se isto tivesse acontecido ao presidente Obama, muitas pessoas já estariam na prisão há muito tempo”.

“Se nós não tivéssemos ganho, a Bolsa de Valores tinha verificado outro crash (como em 1929). De 8 de Novembro a 10 de Janeiro, as acções subiram muitíssimo porque as pessoas queriam que nós subíssemos ao cargo e uma das razões pelas quais a Bolsa de Valores cresceu muito nos últimos dias foi porque as pessoas gostam de nós”, sublinhou o presidente norte-americano.

O presidente dos EUA esclareceu que durante todo o processo de destituição passou “pelo inferno, injustamente, porque não fiz nada de mal”. “Admito que já fiz coisas mal na vida mas não de propósito, mas este é o resultado final”, demonstrou Trump enquanto segura a capa do jornal “Washington Post” onde se pode ler “Trump absolvido”, brincando ainda que esta é a única boa manchete que teve no jornal de renome.

O processo de destituição foi ontem votado no Senado e absolveu Trump das duas acusações.

O primeiro artigo, que acusava Trump de abuso de poder, foi rejeitado com 52 senadores a votar ‘inocente’ e 48 a votar ‘culpado’. Já em relação ao segundo artigo, referente à obstrução ao Congresso, os 53 republicanos votaram ‘inocente’.

Só um senador republicano votou contra o presidente: Mitt Romney, eleito pelo estado do Utah, que votou a favor da destituição de Trump no primeiro artigo.