Supremo dos Estados Unidos autoriza fim antecipado do censo de 2020

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos aceitou, na terça-feira, o pedido do Governo de Donald Trump para antecipar o fim do censo de 2020, afectado pela pandemia da COVID-19.

Luanda /
14 Out 2020 / 10:10 H.

O censo devia terminar no fim deste mês, mas uma data em litígio era a da entrega dos resultados à Casa Branca. Com esta decisão, a entrega é antecipada para 31 de Dezembro, ao invés da data inicial, de 30 de Abril de 2021.

Com este calendário, vai caber à administração Trump, quer ganhe, ou não, as eleições presidenciais de 03 de Novembro, enviar os resultados ao Congresso dos Estados Unidos.

Estes resultados permitem definir, em função da população, o mapa eleitoral da Câmara dos Representante (câmara baixa do Congresso) e a distribuição de milhares de milhões de dólares em recursos federais.

O Presidente norte-americano já tinha anunciado a intenção de não incluir os imigrantes irregulares no censo.

Na terça-feira, o Supremo Tribunal não publicou os motivos da decisão, mas a magistrada progressista Sonia Sotomayor afirmou publicamente discordar da posição tomada.

"Os danos causados pela decisão de apressar a contagem do censo deste ano são irreparáveis", disse a magistrada, advertindo para um impacto "durante pelo menos os próximos dez anos".

Os opositores à finalização do censo argumentaram que as comunidades migrantes, minorias ou pobres não vão ser contadas, o que vai levar à exclusão em futuros financiamentos e na representação no Congresso.

O Instituto do Censo anunciou, também na terça-feira, já estarem contados 99,9% dos residentes em habitações nos Estados Unidos, estando o trabalho praticamente concluído.

O censo populacional realiza-se a cada dez anos por mandato constitucional e o objectivo de contabilizar todas as pessoas presentes no país é a atribuição da representação dos estados no Congresso no Colégio Eleitoral, como também de milhares de milhões de dólares para programas de infraestruturas, hospitais, escolas e assistência social.

Em todos os censos realizados desde 1790 foram incluídas todas as pessoas presentes no país, independentemente da situação migratória.

No entanto, no ano passado, Trump tentou incluir no questionário do censo uma pergunta sobre a cidadania dos residentes nos Estados Unidos, uma outra batalha que terminou com uma decisão do Supremo Tribunal a favor do Presidente norte-americano.