Presidente namibiano Hage Geingob reeleito com 56,3% do votos e regista quebra acentuada

O Presidente namibiano cessante, Hage Geingob, foi reeleito com 56,3% dos votos expressos, o que representa uma quebra acentuada em relação aos 86% que registou no sufrágio anterior, segundo os dados divulgados pela Comissão Eleitoral.

02 Dez 2019 / 12:04 H.

O líder da Swapo (Organização do Povo do Sudoeste Africano), que está no poder desde a independência da Namíbia, em 1990, e como Presidente desde 2015, estava muito à frente de Panduleni Itula, o candidato dissidente da Swapo, que obteve 30% dos votos, de acordo com os dados divulgados hoje à noite sobre as eleições gerais no país, realizadas na última quarta-feira, que adiantam que o partido no poder perdeu a maioria parlamentar.

O líder da oposição, McHenry Venaani, recebeu apenas 5,3% dos votos dos eleitores namibianos. A proximidade passada do seu partido, o Movimento Democrático Popular (PDM), ao apartheid na África do Sul continua a desencorajar uma grande parte do eleitorado a votar naquela estrutura partidária.

“A democracia é o verdadeiro vencedor”, disse Hage Geingob, para quem “as eleições foram ferozmente contestadas”.

No entanto, Panduleni Itula e o líder de um novo partido da oposição, o Movimento Sem Terra (LPM), Bernadus Swartbooi, denunciaram uma fraude eleitoral. Em particular, Itula, que referiu terem existido “uma multiplicidade de irregularidades sem precedentes”.

O antigo dentista, de 62 anos, que acusa o presidente de vender a riqueza do país a estrangeiros, particularmente popular entre os jovens, ficou em primeiro lugar na capital da Namíbia, Windhoek.

“Serviu de trampolim para a frustração e reuniu todos os descontentes do presidente”, observou Graham Hopwood, do principal ‘think tank’ da Namíbia, o Institute for Public Policy Research.

A Namíbia foi o primeiro país africano a introduzir a votação electrónica, em 2014. Este equipamento tem sido criticado pela oposição, que alega que a ausência de boletins de voto em papel aumenta a possibilidade de fraude.