Organizações pedem à ONU que investigue violações dos direitos humanos na China

Mais de 300 organizações não-governamentais instaram esta quarta-feira (09) a ONU a criar um mecanismo internacional para investigar as violações dos direitos humanos na China e pediram aos líderes da organização para "que ajam de forma decisiva".

Luanda /
09 Set 2020 / 11:30 H.

Numa carta aberta dirigida ao secretário-geral da ONU, António Guterres, à Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e aos Estados membros da ONU, as organizações, com origem em mais de 60 países, pediram “medidas decisivas para proteger as liberdades fundamentais na China” e denunciaram “violações massivas dos direitos humanos cometidas pela China em Hong Kong, Tibete e Xinjiang”.

As organizações denunciaram ainda a “supressão de informações no contexto da pandemia da COVID-19, ataques a defensores dos direitos humanos, jornalistas, advogados e críticos do Governo em todo o País”.

As mesmas organizações acusaram o regime chinês de ter como alvo defensores dos direitos humanos no exterior, suprimir a liberdade intelectual fora da China e censurar a internet.

Eles também denunciaram o que consideram uma tentativa da China de amordaçar “iniciativas que visam examinar graves violações dos direitos humanos e crimes internacionais cometidos em países de todo o mundo”, acusando Pequim de “deturpar o mandato do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

“Um Estado que se esforça por ficar acima do escrutínio crítico representa uma ameaça fundamental aos direitos humanos. O fato de ser a China – um estado dotado de um poder mundial extraordinário afeta-nos a todos”, afirmaram os signatários