Novo Governo espanhol decide aumento de 0,9% das pensões de reforma

O novo Governo espanhol, uma coligação de partidos de esquerda liderada pelo socialista Pedro Sanchez, aprovou um aumento das pensões de reforma em 0,9% a partir de 01 de Janeiro, no primeiro Conselho de Ministros realizado em Madrid.

14 Jan 2020 / 15:49 H.

O primeiro-ministro Pedro Sánchez afirmou que esse aumento vai garantir que “não haverá perda de poder de compra para os reformados”, uma vez que estes irão receber um pagamento compensatório, “antes de abril de 2021″, se a inflação de 2020 exceder a subida aprovada.

A medida tinha sido prometida antes das eleições de 10 de Novembro último por Sánchez, que se comprometeu a reavaliar anualmente as pensões de acordo com a inflação projectada.

Pedro Sánchez lidera um executivo formado pelo PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) e o Unidas Podemos (extrema-esquerda), o primeiro de coligação desde o início desta época democrática iniciada com a Constituição de 1978.

Na conferência de imprensa que teve lugar depois do primeiro Conselho de Ministros do novo Governo, que tomou posse na segunda-feira, o primeiro-ministro avançou que espera encontrar-se “o mais rapidamente possível” com o Presidente da região espanhola da Catalunha, o independentista Quim Torra, para abrir um processo de diálogo territorial e devolver o conflito catalão à política.

“Queremos abrir um processo de diálogo” e “colocar a crise catalã no campo da política e não no território judicial”, explicou Sánchez.