Infectados 208 soldados Senegaleses regressados da Gâmbia

Mais de 200 soldados senegaleses da força da África Ocidental na Gâmbia deram positivo para o novo coronavírus depois da sua missão no país, anunciaram ontem o Exército e o Ministério da Saúde do Senegal.

Luanda /
16 Set 2020 / 11:52 H.

"A direcção de Saúde do Exército notificou-nos que 208 soldados que regressavam da missão deram positivo à COVID-19", referiu o Ministério da Saúde, no comunicado diário sobre a pandemia.

Há alguns dias, o Exército relatou que "100 soldados" foram afectados, de um contingente de mais de 600 homens que se encontravam na Gâmbia.

Os soldados estão "todos em Guéréo", disse um oficial das relações públicas do Exército, citado pela agência France-Press.

A aldeia de Guéréo, situada na costa e a cerca de 60 quilómetros a sul de Dakar, alberga um "hotel" do Exército, um local seleccionado pelo Ministério da Saúde para o acompanhamento de doentes assintomáticos da COVID-19.

A Gâmbia, um país encravado no Senegal, excepto na sua orla marítima, registou 3.428 casos da COVID-19 e 105 mortes. O Senegal comunicou 14.529 casos e 298 vítimas mortais.

A força da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) na Gâmbia (Micega) foi destacada em Janeiro de 2017 para forçar o ex-Presidente da Gâmbia Yahya Jammeh (1994-2017) a entregar o poder ao seu sucessor eleito, Adama Barrow.

Composto em grande parte por pessoal militar senegalês, a sua missão foi, entretanto, alargada pela CEDEAO, a pedido de Adama Barrow, apesar da partida de Yahya Jammeh para o exílio na Guiné Equatorial, em 21 de Janeiro de 2017.