Guterres alerta que crise de segurança no Sahel é “ameaça global”

Em algumas regiões, os Estados perderam totalmente o acesso às suas populações e a insegurança e a instabilidade política continuam a piorar ainda mais uma situação humanitária já catastrófica.

Luanda /
23 Set 2022 / 10:08 H.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, alertou, que a crise de segurança no Sahel “representa uma ameaça global”, antevendo que se “nada for feito”, os efeitos serão sentidos “muito além” de África.

Num discurso apresentado numa reunião de alto nível sobre o Sahel na sede da ONU, em Nova Iorque, Guterres avaliou que a situação naquela região é “urgente” e que a insegurança e a instabilidade política “continuam a piorar ainda mais uma situação humanitária já catastrófica”.

“A violência indiscriminada continua a matar e a ferir milhares de civis inocentes, enquanto força milhões de outros a fugir de suas casas. (...) Relatos de graves violações de direitos humanos cometidos por grupos armados não estatais e às vezes também por forças de segurança e defesa, são de grande preocupação”, frisou o líder da ONU.

Guterres chamou ainda a atenção para o facto de as alterações climáticas continuarem a causar a erosão do solo e a secar as fontes de água, contribuindo assim para a intensificação de uma insegurança alimentar já aguda e exacerbando as tensões entre agricultores e pastores.