Guiné-Bissau: Intervenção da CEDEAO questionada no debate eleitoral

Um dos temas que dominam a campanha eleitoral é a sistemática intervenção da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e de outras organizações internacionais na resolução dos problemas políticos, sobretudo nos últimos cinco anos.

19 Nov 2019 / 12:11 H.

Enquanto uns são contra as sucessivas intervenções da CEDEAO e de outras organizações internacionais, qualificando-as, citamos de “violações da soberania nacional”, outros justificam que a Guiné-Bissau “faz parte de concerto das nações, daí que não se pode falar de uma soberania absoluta”.

Perante estas duas correntes, o analista político Rui Jorge Semedo lembra que a comunidade internacional, particularmente, a CEDEAO, intensificou a sua presença na Guiné-Bissau, depois do conflito militar de 1998, a partir do qual o país jamais encontrou a estabilidade.

Semedo diz que o debate sobre a soberania nacional é uma falsa questão:

“É uma falsa questão, porque a CEDEAO e a comunidade internacional nunca vão para um país estável, onde as instituições funcionam normalmente e que cumpra, sobretudo, com as normas democráticas”, diz Semedo.

Ele sublinha que “na Guiné-Bissau, nós temos uma imensa dificuldade em permitir o funcionamento das instituições e da democracia, daí o país precisar do apoio internacional”.

Associando-se a esta tese, mas com outro ângulo de abordagem, Nhaga Cobna Barreira, investigador pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), diz que “o poder político é que tem a responsabilidade de estruturar, evitando as instabilidades e as necessidades da mediação internacional.”

Temas