Grécia vai pedir apoio à NATO na sua disputa com a Turquia

O primeiro-ministro grego disse que vai solicitar a outros membros da NATO, durante a cimeira de Londres, que apoiem a Grécia a enfrentar a Turquia, que também integra a organização aliada, nas tentativas interferir na soberania do país.

02 Dez 2019 / 11:17 H.

Numa intervenção no último dia do Congresso da Nova Democracia (ND, direita e no poder), Kyriakos Mitsotakis considerou que a NATO não pode permanecer indiferente quando um dos seus membros “viola deliberadamente a lei internacional” e que uma abordagem neutral será sempre em detrimento da Grécia, que nunca pretendeu acentuar as tensões na região.

O assunto será colocado na cimeira dos 29 Estados-membros da Aliança militar ocidental, que decorre em Londres entre terça-feira e quarta-feira.

O primeiro-ministro grego referia-se em particular ao acordo da semana passada entre a Turquia e a Líbia destinado a delimitar as fronteiras marítimas no Mediterrâneo.

Chipre, Egito e Grécia condenaram em conjunto o acordo turco-líbio, que, na sua perspectiva, contraria a lei internacional. O assunto foi discutido hoje no Cairo entre os chefes da diplomacia egípcia, Sameh Shoukry, e o seu homólogo grego Nikos Dendias.

O porta-voz Ahmed Hafez referiu em declaração divulgada após o encontro que os dois ministros consideram “ilegal” o acordo Turquia-Líbia e que o primeiro-ministro líbio Fayez Sarraj não tem o direito de assinar memorandos com outros países à margem do acordo patrocinado pela ONU e que estabeleceu o seu governo em Tripoli.