“Gostaria de ser recebida pelo Presidente da República”

Atendendo à classificação actual, a atleta pretende subir mais alguns lugares para garantir uma qualificação directa aos Jogos Olímpicos deste ano.

Luanda /
29 Jan 2021 / 11:06 H.

A campeã africana de judo feminino, Neide Diassonema Mucungui, subiu 16 lugares e após vencer o Campeonato Continental de Judo Feminino, subiu 16 lugares e agora ocupa a 34ª posição no ranking olímpico, e ocupando o 2º lugar no ranking africano e 1º no ranking nacional e sonha ser recebida pelo Presidente da República, João Lourenço.

Em entrevista ao Vanguarda, a atleta prometeu melhorar a sua prestação, a fim de conseguir um passaporte rumo aos Jogos Olímpicos deste ano. No recente master realizado em Janeiro, na cidade de Doha, Qatar, terminou em 10º lugar, após ser eliminada pela atleta japonesa Yoshida Tsukasa, 2ª do ranking olímpico. Foi um combate muito difícil, pois estamos a falar de uma das melhores atletas a nível mundial”, frisou. Sobre os jogos olímpicos 2021, Neide Diassonema diz que a qualificação directa é o que se pretende. “Atendendo a minha classificação actual preciso subir mais alguns lugares para garantir uma qualificação directa” afirma a atleta.

A campeã africana conta que tem boas chances de se qualificar e está a trabalhar arduamente para alcançar o desiderato. “Temos o Grand Slam de Israel em Fevereiro, o Grand Slam do Uzbekistão em Março, o Grand Slam da Georgia, Grand Slam da Turquia em Abril, o Campeonato Africano em Marrocos de 15 a 18 de Abril, o Grand Slam de Paris em Maio e depois o Mundial da Hungria a decorrer de 6 a 13 de Junho” disse Neide Diassonema.

Realça que estas competições contam muito para o objectivo final que são os Jogos Olímpicos de 24 a 31 de Junho, que exigem uma classificação entre os 25 melhores classificados do ranking Olímpico para uma classificação directa.

Campeonato Africano

“Consegui concretizar um dos meus sonhos quando menos esperava, pois foi um ano de preparação muito difícil”, referiu.

Neide Diassonema diz que o reconhecimento dentro e fora do País é um dos momentos mais felizes na sua carreira e diz mesmo que gostaria de ser recebida pelo Presidente da República por ser o mais alto representante da Nação e pelo que tenho desenvolvido na modalidade dentro e fora do País, elevando a bandeira e o hino de Angola no mundo afora e trazendo medalhas de ouro ao País.

Ao ser recebida pelo Chefe de Estado seria uma forma de incentivar a juventude e as mulheres a trabalharem e ainda assim nem uma mensagem de felicitação recebo”, desabafou a atleta.

Neide realça o seu agradecimento a todas as organizações que reconheceram os seus esforços, luta e dedicação em nome do País, e que o seu reconhecimento foi de tamanha importância, pois serve de combustível para essa contínua caminhada em busca de títulos para o País.

“Aconselho aos jovens a praticarem algum desporto, devido às inúmeras vantagens, tanto a nível pessoal como colectivo”, realçou. Neide Diassonema considera que o apoio do Comité Olímpico Angolano tem sido de grande valor, dada a incapacidade da Federação de Judo para fazer o seu trabalho com os atletas, na medida em que mesmo com as verbas cabimentadas pelo Estado mostra-se sempre indisponível para apoiar os atletas quando aquando das competições internacionais.

“Não competimos pelo nosso nome, competimos pela Nação, por isso que a cada vitória se levanta a bandeira nacional e se entoa o hino da República de Angola, que sempre me emociona ao ouvir e ver a bandeira do País junto de outras” diz Neide.