Falta de dados impede avaliação de três países da CPLP em relatório de sustentabilidade

Timor-Leste, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial foram os países de língua oficial portuguesa que ficaram de parte da lista da Organização das Nações Unidas (ONU) que avalia 162 países em matéria de desenvolvimento sustentável, por falta de dados.

12 Set 2019 / 11:21 H.

Os três países não foram colocados no primeiro ‘ranking’ do cumprimento dos 17 objectivos de desenvolvimento sustentável (ODS), por falta de 20% dos dados necessários de Timor-Leste, 21% por parte da Guiné-Bissau e 31% dos valores da Guiné Equatorial.

Timor-Leste, sem uma colocação no ‘ranking’, garantiu o cumprimento de um dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável – o da produção e consumo sustentáveis – mas com “grandes desafios” em nove outros ODS.

Timor-Leste está inserido na região da Ásia Oriental e Meridional, que apresenta uma pontuação média de 65,7 em 10 no desenvolvimento sustentável.

Uma situação semelhante encontra-se para Guiné-Bissau, que também conseguiu assegurar a sustentabilidade da produção e do consumo, mas que enfrenta “grandes desafios” em doze categorias.

Guiné-Bissau apresenta dados piores do que o recomendado na pobreza, fome, saúde, educação, igualdade de género, água potável ou saneamento, energias renováveis, indústria, sustentabilidade das cidades, protecção da vida marinha e força das instituições democráticas ou paz.

Sem informações sobre o desempenho em cinco objectivos de desenvolvimento sustentável, a Guiné Equatorial tem “grandes desafios” em oito ODS restantes, pode ver-se no relatório encomendado pelas Nações Unidas a uma equipa de especialistas independentes.

Trata-se de um relatório apresentado na quarta-feira em Nova Iorque, realizado por cientistas independentes para a ONU, que avalia o desempenho de 162 países nos 17 objectivos de desenvolvimento sustentável assumidos na Agenda 2030.