Exército etíope acusa director-geral da OMS de apoiar forças de Tigray

O chefe do estado-maior do exército etíope acusou esta quinta-feira o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, de fazer campanha pela região de Tigray, onde as forças locais estão em confronto com as tropas federais.

Luanda /
19 Nov 2020 / 11:36 H.

O etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, originário da região de Tigray, "trabalhou em países vizinhos para condenar a guerra" que o Governo federal da Etiópia tem travado contra as autoridades regionais de Tigray desde 04 de Novembro (...), e "trabalhou para lhes obter armas", disse o general Berhanu Jula numa conferência de imprensa.

O director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) "não negligenciou nenhuma via" para ajudar a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), partido no poder na região de Tigray e que desafia a autoridade do Governo federal há vários meses.

"Esse homem é mesmo um membro da equipa" da TPLF, acusou o General Berhanu.

Tedros Adhanom Ghebreyesus foi ministro da Saúde de 2005 a 2012, no governo de Meles Zenawi, chefe histórico da TPLF e que detinha muito poder em Adis Abeba.

"O que podemos esperar dele? Não esperamos que se alie ao povo etíope e condene" as autoridades de Tigray, acrescentou.

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, que assumiu o cargo em 2018 e ganhou o Prémio Nobel da Paz no ano seguinte, lançou em 04 de Novembro uma operação militar em Tigray contra as forças da TPLF, que acusa de tentarem desestabilizar o Governo Federal e de ter atacado duas bases militares etíopes na região, que as autoridades regionais negam.

Não há qualquer balanço preciso da ofensiva militar, que entrou na terceira semana e envolve bombardeamentos aéreos, e a região está virtualmente isolada do mundo.

No entanto, os combates custaram várias centenas de vidas e, de acordo com o chefe da Comissão de Refugiados do Sudão, forçou pelo menos 36.000 etíopes a fugir para o País vizinho.