Dia Mundial da Televisão

Neste sábado dia 21 de Novembro de 2020, celebrou-se o Dia Mundial da Televisão, um dia criado pelas Nações Unidas (ONU) para reconhecer o impacto crescente da televisão na tomada de decisão global, ao chamar a atenção do mundo para as ameaças à paz, segurança e aspectos de urgência económica e social.

Luanda /
24 Nov 2020 / 15:07 H.

O dia nasceu do primeiro Fórum Mundial da Televisão, que decorreu de 21 a 22 de Novembro de 1996 e serviu para discutir a importância cada vez maior da televisão num mundo em mudanças constantes.

Os participantes do fórum reconheceram a TV como um instrumento muito relevante para influenciar a política mundial, informar, canalizar e orientar a opinião pública.

Nos últimos 24 anos, isto não mudou. Na realidade, a importância da televisão é cada vez maior. A ONU reitera que, em 2020, a televisão continua a ser a principal fonte de consumo audiovisual.

Apesar de os tamanhos dos ecrãs terem mudado, e as pessoas actualmente poderem criar, postar e consumir conteúdo a partir de diferentes plataformas, o número de casas com televisão no mundo inteiro, continua a aumentar. A interacção entre as formas tradicionais e mais modernas de transmissão audiovisual cria uma excelente oportunidade para aumentar a sensibilização acerca de assuntos importantes que afectam as nossas comunidades e países” pode ler-se no site das Nações Unidas.

Em África, a taxa de adopção de televisão reflecte exactamente isto. Apesar do aumento nos dispositivos que dão acesso a conteúdos televisivos, através de serviços de streaming, o ecrã de televisão ainda é a forma mais popular de consumir este conteúdo, tal como o que é fornecido pelos serviços de televisão digital terrestre e por satélite.

Yolisa Phahle, CEO de Entretenimento Geral e Vídeo do Grupo MultiChoice, diz que “a pesquisa confirma que os africanos vêm muita televisão. “O Quénia vê quase duas vezes mais televisão do que a média mundial, com a África do Sul e a Nigéria imediatamente a seguir. Uma forte tendência que estimula esse consumo é a crescente quantidade de conteúdo televisivo a ser produzido por produtoras africanas e a contar estórias africanas. A razão deste aumento é simples: existe procura, e muito superior à oferta, a procura por conteúdo local é quase o dobro dos minutos disponíveis para transmissão. Somos um continente faminto por estórias contadas localmente” acrescenta Yolisa.

No caso de Angola, a MultiChoice Angola mudou a forma dos angolanos verem televisão ao introduzir a televisão por satélite no país em 1998. A DStv lançou o seu serviço com canais em inglês que mostravam entretenimento recente, mas, devido à procura dos clientes, rapidamente introduziu três canais em português.

Os canais foram um sucesso imediato junto dos angolanos e foram seguidos, em 2004 pela introdução do primeiro pacote da DStv totalmente em português, o Bué Mais, composto por 12 canais. Estes foram marcos importantes que permitiram à MultiChoice Angola aumentar a sua aproximação aos angolanos, estendendo o desejo da empresa de usar o entretenimento para educar, informar e inspirar.

Ao trazer o serviço de televisão por satélite para Angola, mudámos a forma das pessoas consumirem televisão em Angola, tendo-nos deixado entrar no seu espaço pessoal e isto tem sido um privilégio para nós. Tentámos honrar este espaço que nos foi concedido, trazendo uma promessa de entretenimento de qualidade e original para os angolanos – trazer entretenimento que enriquece vidas. Porque o entretenimento é importante. Tem estado presente desde o início dos tempos, e sempre foi parte integrante das comunidades africanas. Estamos a usar este poder do entretenimento para ajudar a construir identidades nacionais, educar e dar acesso à informação e para fomentar a esperança no futuro de África”, explica Glauco Ferreira, Director Geral da MultiChoice Angola.

Uma grande parte desta visão passa por tornar o conteúdo televisivo mais acessível para os angolanos. Isto inclui explorar plataformas para além da televisão tradicional, porque apesar de a MultiChoice Angola reconhecer que o ecrã de televisão estará sempre no centro da família angola, também reconhece a necessidade de se manter a par da curva da tecnologia em termos de distribuição de conteúdos.

Os serviços de streaming representam o nível seguinte desta oferta. A proliferação de dispositivos conectados, o aumento da taxa de penetração da banda larga móvel e fixa e as velocidades (tais como a 5G) bem como um declínio estável do custo destes produtos e serviços, combinado com a disponibilidade de serviços de streaming irá, eventualmente, mudar a forma como vemos conteúdos televisivos.

Porém, a maioria dos países africanos continua na fase inicial da adopção de banda larga –estudos indicam que apenas 4% dos lares na áfrica subsaariana utilizam serviços de streaming, devido aos custos elevados de internet.

A MultiChoice Angola foi sempre uma empresa pioneira na área de televisão e um dos grandes focos neste momento é o de incorporar serviços de streaming na sua oferta de conteúdo de entretenimento.

Num futuro próximo, vamos acompanhar os nossos subscritores angolanos numa jornada cada vez mais aproximada do ambiente online. Os nossos descodificadores e a nossa app de streaming já nos permitem faze-lo, mas traremos outras inovações para Angola, que irão, efectivamente, alargar o nosso serviço de televisão por satélite online e permitir-nos introduzir mais componentes tais como serviços de streaming on demand.

Num futuro próximo, o satélite continuará a ser o meio de distribuição em massa de entretenimento de vídeo com a melhor relação qualidade preço em África. Isto realça a importância da televisão, mesmo na era digital, tornando válida a celebração deste aparelho histórico e que mudou a vida das famíilas, o Dia Mundial da TV.