China oferece seguro de saúde para eventuais efeitos colaterais de vacina

Este seguro também cobre o pagamento à família, caso seja provado que a morte de um familiar ocorreu devido à vacina. Só em Pequim, cerca de 60 mil idosos inscreveram-se para obter o seguro.

Luanda /
07 Jun 2022 / 12:57 H.

A China está a oferecer seguros para idosos preocupados com os efeitos colaterais da vacina contra à COVID-19, visando aumentar a taxa de inoculação para níveis que permitam ao país relaxar a estratégia ‘zero casos’, avançou a Lusa.

Dezenas de cidades em toda a China estão a oferecer à população com 60 ou mais anos um seguro de saúde gratuito, que cobre despesas até 500 mil yuan se adoecerem devido a efeitos secundários das vacinas contra o novo coronavírus, de acordo com a imprensa local.

Estes seguros também cobrem o pagamento à família, caso seja provado que a morte de um familiar ocorreu devido à vacina. Só em Pequim, cerca de 60 mil idosos inscreveram-se para obter o seguro.

À semelhança de outros países, um grande número de pessoas na China tem dúvidas sobre a segurança das vacinas, apesar da falta de evidências sobre efeitos colaterais graves.

Rumores sobre a suposta relação entre vacinas e doenças graves, como leucemia e diabetes tipo 1, propagaram-se nas redes sociais chinesas.

Até ao mês passado, menos de dois terços da população chinesa com 60 anos ou mais tinha recebido uma dose de reforço, como é recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

Estima-se que cerca de 100 milhões de chineses não estejam vacinados ou não tenham recebido a dose de reforço. Isto suscita receios de que possa haver milhões de hospitalizações e mortes, caso o Governo chinês prescinda da estratégia de ‘zero casos’ de COVID-19.