Biden volta a defender restrições a armas após novos tiroteios nos EUA

“ Vou tentar acabar com as armas de assalto”, insistiu o democrata.

Luanda /
25 Nov 2022 / 10:58 H.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a defender hoje (25), a sua proposta que proíbe a venda de armas de assalto aos cidadãos, debate reactivado após os recentes tiroteios nos estados da Virgínia e Colorado.

“A ideia de que ainda permitimos a compra de armas semiautomáticas é doentia”, denunciou Biden durante uma visita a Nantucket, no Estado de Massachusetts, citado pela estação ABC.

O chefe de Estado norte-americano destacou que a proibição da venda deste tipo de armas não tem “nenhuma razão lógica” contra, defendendo que se ainda não foi aplicada é devido “aos lucros dos fabricantes de armas”.

Embora Biden esteja convencido da necessidade de interromper estas vendas de armas de assalto, a realidade política é bem diferente, principalmente depois de republicanos terem assumido o controlo da Câmara dos Representantes desde as recentes eleições intercalares.

Assim, torna-se mais improvável que o Congresso dos Estados Unidos dê ‘luz verde’ à reforma proposta por Biden.

Temas