Ramos-Horta diz que país pode beneficiar de parcerias com a China

O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta disse que Timor-Leste pode beneficiar de parcerias com a China, como com outros parceiros, para o seu desenvolvimento nacional, considerando “propaganda” as campanhas de receio sobre o investimento chinês.

China /
16 Mai 2019 / 11:20 H.

“Há muita propaganda, de repente. O que se passa é que a China surgiu agora como grande potência global económica e isso atrapalha o monopólio de influência económica de muitos países. É um fenómeno novo na geopolítica mundial”, disse José Ramos-Horta em declarações à Lusa.

“As preocupações no caso de Timor-Leste não fazem sentido. Posso entender as preocupações, obviamente, mas a nossa resposta às preocupações é estar sempre disponível para explicar as implicações do envolvimento da China, quer a nível oficial, quer do sector privado internacional”, considerou.

José Ramos-Horta falava à Lusa depois de regressar da China onde participou em reuniões do Conselho Global para a iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, com vários ex-chefes de Estado e de Governo de que agora também faz parte.

Ramos-Horta explicou que foi convidado pelo presidente do Conselho Global, o ex-chefe de Estado sérvio, Boris Tadic, a integrar o organismo que “visa aconselhar as autoridades, quem de direito, sobre as implicações culturais, sociais, políticas, diplomáticas da iniciativa ‘Uma Faixa, Uma Rota”.

Temas