Japão embarga petróleo russo, mas mantém projectos de energia com Moscovo

O anúncio do líder nipónico ocorre horas depois de participar numa reunião à distância com os homólogos do G7 (grupo de países mais industrializados do mundo, formado por Estados Unidos, Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão e Reino Unido), no qual foi reiterado o compromisso de reduzir a dependência energética da Rússia, face à invasão da Ucrânia.

09 Mai 2022 / 12:20 H.

O Japão vai embargar as importações de petróleo russo, apesar de manter a participação em projectos de energia com Moscovo para minimizar o impacto no fornecimento de energia do país, anunciaram as autoridades.

“Para um país como o Japão, que depende muito das importações de energia, é uma decisão muito difícil, mas a coordenação do G7 é mais importante num momento como este”, disse hoje o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida aos repórteres do Kantei, o escritório e residência oficial do chefe de Governo.

O anúncio do líder nipónico ocorre horas depois de participar numa reunião à distância com os homólogos do G7 (grupo de países mais industrializados do mundo, formado por Estados Unidos, Alemanha, Canadá, França, Itália, Japão e Reino Unido), no qual foi reiterado o compromisso de reduzir a dependência energética da Rússia, face à invasão da Ucrânia.

As potências, que não conseguiram chegar a um acordo para proibir as importações de petróleo russo, comprometeram-se a realizar uma transição ordenada e em tempo útil, com espaço para os países encontrarem rotas alternativas de abastecimento.

“Com base na declaração dos líderes do G7, decidimos tomar medidas para embargar o petróleo russo”, acrescentou o primeiro-ministro japonês na rede social Twitter.

Kishida destacou que continuará a trabalhar “de perto” com o G7 e os países envolvidos, incluindo a Ucrânia.