Coreia do Norte nega acusações de que vendeu armas à Rússia

O país mantêm relações muito próximas com o Kremlin e reconheceu a autonomia das autoproclamadas repúblicas separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk.

23 Set 2022 / 11:25 H.

A Coreia do Norte disse, esta quarta-feira de manhã, que nunca forneceu armas ou munições à Rússia, ao contrário do que foi noticiado no final de Agosto último e corroborado por autoridades militares do Reino Unido e dos Estados Unidos.

Num comunicado, publicado na agência estatal KCNA, o regime de Pyongyang afirmou que “os Estados Unidos e outras forças hostis falaram de uma ‘violação de resolução’, espalhando rumores sobre ‘acordos de armas’ entre a República Popular Democrática da Coreia e a Rússia”.

“Nunca exportamos armas ou munições antes e não estamos a planear fazê-lo”, reafirmou a agência, citando uma fonte do ministério de Defesa Nacional norte-coreano.

No final de Agosto, o New York Times noticiou que Moscovo estava a comprar projécteis e foguetes à Coreia do Norte. Mais tarde, o Ministério da Defesa do Reino Unido confirmou, num dos seus relatórios diários sobre a guerra na Ucrânia, que o Kremlin estava a comprar armas à Coreia do Norte, dada a ausência de armamento e a impossibilidade de comprar a outros países, por causa das sanções impostas pelo Ocidente.

Também o Pentágono declarou, no início de Setembro, que a Rússia estava a negociar a compra de milhões de mísseis para usar na Ucrânia.

A Coreia do Norte deixou clara a sua tentativa de deitar por terra as informações avançadas pelos EUA, apelando ao país “que feche a boca” e que “pare de fazer circular tais rumores, que parecem direccionados a danificar a imagem” da Coreia do Norte.

As relações diplomáticas entre a Coreia do Norte e a Rússia mantêm-se próximas, depois de décadas de alianças que começaram quando os dois países eram comunistas e a União Soviética apoiou o regime comunista na península da Coreia.

A Coreia do Norte é, além da Síria e da própria Rússia, um dos únicos países a reconhecer a autonomia das auto proclamadas repúblicas separatistas pró-russas de Donetsk e Lugansk, cujo reconhecimento pelo Kremlin ajudou a dar início à invasão na Ucrânia.

Os norte-coreanos também ofereceram enviar 100 000 soldados para combater do lado dos russos.

Temas