China espera que visita de comissária da ONU “esclareça desinformação”

Durante uma reunião com Bachelet, na cidade de Guangdong, no sul da China, Wang Yi “expressou esperança de que a visita ajude a fortalecer a compreensão e a cooperação e esclarecer a desinformação”

Luanda /
24 Mai 2022 / 10:11 H.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, disse ontem ter esperança de que a visita da alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, “esclareça a desinformação” sobre o seu país.

Bachelet deve partir hoje para a região de Xinjiang, onde Pequim é acusada de abusos contra a minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigur.

De acordo com organizações de defesa dos Direitos Humanos, pelo menos um milhão de uigures e membros de outras minorias de origem muçulmana, estão ou foram encarcerados em campos de doutrinação naquela região, no extremo noroeste da China, e colocados sob vigilância apertada pelas autoridades.

Pequim classificou aquelas acusações como a “mentira do século”.

Durante uma reunião com Bachelet, na cidade de Guangdong, no sul da China, Wang Yi “expressou esperança de que a visita ajude a fortalecer a compreensão e a cooperação e esclarecer a desinformação”, segundo um comunicado difundido pelo ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

Temas