Biden promete a Zelensky sistemas avançados de defesa aérea

Biden destacou ainda o seu compromisso, juntamente com os aliados, para continuar a impor custos à Rússia, responsabilizando Moscovo pelos seus “crimes de guerra e atrocidades”.

Luanda /
11 Out 2022 / 09:24 H.

O Presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu ao homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, que irá continuar a fornecer à Ucrânia o equipamento necessário para se defender das forças russas, incluindo sistemas avançados de defesa aérea, divulgou a Casa Branca.

Os dois chefes de Estado conversaram segunda-feira(10) por telefone, com o norte-americano a expressar a Zelensky as suas “condolências”, após os bombardeamentos russos em larga escala contra várias cidades ucranianas, revelou em comunicado a Casa Branca.

Biden destacou ainda o seu compromisso, juntamente com os aliados, para continuar a impor custos à Rússia, responsabilizando Moscovo pelos seus “crimes de guerra e atrocidades”.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, também divulgou que discutiu com o homólogo norte-americano a assistência à defesa aérea, na sequência do bombardeamento maciço pelas forças russas de várias cidades da Ucrânia.

“A defesa aérea é atualmente a prioridade número um da nossa cooperação em defesa”, apontou o governante ucraniano, através das redes sociais.

Zelensky informou Biden sobre as consequências dos ataques, alertando que os recentes danos em larga escala na infraestrutura de energia crítica representam sérios desafios antes do próximo inverno e o início da temporada de aquecimento, segundo refere uma nota divulgada pela presidência ucraniana.

Ainda durante a conversa telefónica, os dois líderes discutiram a próxima reunião extraordinária do G7, agendada para esta terça-feira e que contará com Zelensky.

O encontro virtual será dedicado à Ucrânia e abordará as medidas mais urgentes de apoio a Kyiv que podem ser adotadas pela comunidade internacional.

Os bombardeamentos russos em larga escala lançados esta segunda-feira contra várias cidades ucranianas, incluindo Kyiv, provocaram numerosas vítimas e a destruição de importantes infra-estruturas, enquanto a população procura protecção em abrigos.

Na reacção aos bombardeamentos, o chefe de Estado ucraniano referiu que os ataques em várias regiões da Ucrânia visam danificar as infra-estruturas de energia e provocar baixas entre a população civil.

A Rússia realizou estas iniciativas militares dois dias depois de um ataque numa ponte que liga a Crimeia à Rússia, pelo qual Moscovo acusa Kyiv.

Temas