PAM alerta para rutura no fornecimento de ajuda no norte de Moçambique

A rutura no fornecimento de ajuda alimentar ao norte de Moçambique foi adiada por dois meses, mas continua iminente devido à falta de fundos, disse hoje fonte do Programa Alimentar Mundial (PAM), em resposta a questões colocadas pela Lusa.

Luanda /
09 Jun 2022 / 11:50 H.

Se novos fundos não forem recebidos urgentemente, o PAM corre o risco de ter de interromper a assistência que salva vidas em agosto de 2022", anunciou a agência das Nações Unidas.

Em abril, o PAM foi obrigado a emagrecer os cabazes entregues aos deslocados da insurgência armada que afecta Cabo Delgado, norte de Moçambique, e alertou para uma possível rutura em junho.

A interrupção foi evitada, mas o racionamento dos cabazes continua.

"Devido à redução de fundos, o PAM foi obrigado a cortar pela metade a cesta alimentar entregue, o que significa que [os beneficiários] recebem comida para suprir menos de 40% das suas necessidades calóricas", explicou.

"O PAM precisa urgentemente de 86 milhões de dólares (80,4 milhões de euros) para prestar assistência alimentar a 940 mil pessoas no norte nos próximos seis meses", ou seja, até ao fim do ano, detalhou.

A população (cerca de metade são crianças e jovens) foge e deixa tudo o que tem, procurando refúgio em zonas seguras de Cabo Delgado, Nampula e Niassa.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Desde julho de 2021, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu recuperar zonas onde havia presença de rebeldes, mas a fuga destes tem provocado novos ataques noutros distritos usados como passagem ou refúgio temporário.