Agostinho Fernandes renuncia ao cargo de líder do principal partido da oposição são-tomense

O presidente do partido Ação Democrática Independente (ADI), Agostinho Fernandes, renunciou esta sexta-feira ao cargo, alegando falta de consenso para realizar um novo congresso para tirar esta formação política da "profunda crise".

11 Jul 2020 / 09:00 H.

“A direção do ADI, eleita em congresso realizado no dia 25 de Maio de 2019, vem, de forma pública e inequívoca, renunciar ao mandato recebido dos militantes para liderar o partido por um período de três anos”, segundo um comunicado enviado à Lusa.

Com a renúncia, o partido “devolve assim à comissão política os poderes estatutários para, se assim entender, prosseguir com a missão de preparação e realização, logo que seja oportuno, de um novo congresso electivo”.

O comunicado, de oito parágrafos, e assinado pelo presidente demissionário, Agostinho Fernandes, e o vice-presidente Ekneide Santos, justifica que a “profunda crise” que o partido vive há mais de um ano “é propensa a perpetuar o ‘status quo’ reinante de indefinição de liderança do partido”.