“Not a Museum” junta Movart e Ainori em Lisboa

Colecções privadas de arte contemporânea, dos artistas Cristiano Mangovo, Eike Ko nig, John Trashkowsky, Gonçalo Mabunda, Keyezua, Thó Simões e Toy Boy na exposição “Friday 13th”.

Luanda /
16 Dez 2019 / 09:59 H.

Foi inaugurada em Lisboa a segunda edição do Not A Museum, a mesma é prestigiada pela exposição “Friday 13th”, uma parceria entre duas galerias de arte contemporânea, a Ainori e Movart. A exposição que ficará patente até ao dia 31 de Janeiro, junta num mesmo espaço, obras de artistas de diferentes realidades com objectivo de dar voz ao seu trabalho, nomeadamente: Cristiano Mangovo, Eike Konig, John Trashkowsky, Gonçalo Mabunda, Keyezua, Thó Simões e Toy Boy. A assinalar a segunda edição, a Not a Museum assume um conceito pop-up, projecto este que teve início em Maio deste ano e foi incluído no programa VIP da feira ARCO em Lisboa, com o objetivo de desenvolver projectos culturais e possibilitar a criação de novas sinergias no cenário artístico, adaptando a arte a diversos contextos e lugares incomuns. Tirando partido da “fase criativa que vive a cidade de Lisboa “, a colaboração entre as duas galerias visa encontrar um espaço vibrante criado através de uma variedade de projectos e colaborações entre artistas. De acordo com a Movart, o “cenário da Lisboa actual tornou-se no ambiente perfeito para receber estes artistas com influências culturais que se misturam na contemporaneidade da cidade”. Exposta em dois andares de um edifício característico e tradicional da cidade, Not A Museum vem dar voz à cultura e à criatividade, apresentando uma plataforma cultural com o objetivo de romper os estereótipos de uma galeria de arte e de um museu, focando-se no mundo da arte contemporânea.

Sobre a Movart

A galeria deu início as actividades com o conceito pop-up em 2014, um conceito de mobilidade que adoptou para promover os artistas angolanos e internacionais, exibindo as suas peças em locais emblemáticos da cidade bem como fora do território nacional. No ano de 2017, após 15 exposições realizadas a galeria abriu o seu espaço físico em Luanda, apresentando obras de arte contemporânea de artistas angolanos e de outros países lusófonos africanos como Mozambique e São Tomé, através de exposições bimestrais. Firmada em quebrar estereótipos, mostra um lado da cultura africana que é pouco conhecido para o resto do mundo, actualmente está localizada no coração da Baía de Luanda, um espaço emblemático da cidade privilegiados pela paisagem envolvente. O espaço integrante da MOVART permite a realização de exposições de arte e também outro tipo de eventos culturais, de forma dar maior visibilidade ao trabalho por eles desenvolvido