Fábrica de adubos do Huambo prevê aumentar produção em 2020

Soiadubo produz fertilizantes agrícola à base de excremento de gado bovino, capim e cevada com objectivo específico de dar mais dinâmica ao sector.

24 Mar 2020 / 11:00 H.

A fábrica de adubos orgânicos do Huambo, Soiadubo, vai produzir 160 mil toneladas por dia, o que representa um

aumento de 100% da actual capacidade instalada ainda este ano, apurou o Vanguarda.

Com o aumento da produção, a unidade fabril do Planalto Central passa a ter capacidade para abastecer as 18 províncias, segundo António

Cassinda, chefe de produção, citado pela Angop. O remanescente será exportado, o que permitirá o Estado obter divisas.

O volume de produção da Soiadubo tem se reflectido nos postos e mercados fronteiriços, nos últimos meses.

Agricultores da Zâmbia e Namíbia têm a intenção introduzir o adubo made in Longonjo, no conjunto de insumos na actividade agrícola.

Um grupo de empresários de comercialização de adubos dos dois países citados visitou a Soiadubo, em Agosto de 2019, onde puderam constatar a produção de fertilizantes.

Os visitantes, explica António Cassinda, levaram amostras que forma testados nos laboratórios zambianos e namibianos com fito de analisar o

grau de adequação às terras.

A fábrica produz fertilizante agrícola à base de excremento de gado bovino, capim e cevada (desde 2013) com objectivo específico de dar mais dinâmica ao sector agrícola.

Para além de fazer crescer as plantas, o adubo orgânico, que se diferencia do químico em função dos resultados, notados durante um período,

mínimo de dois anos, enriquece igualmente os solos, através da recuperação dos ácidos que podem se degradar, através da constante actividade

agrícola, chuvas e queimadas anárquicas.