Vandalismo trava reabertura de cabines telefónicas públicas em Angola

O presidente da empresa angolana de telecomunicações, Angola Telecom, considerou que "actos de vandalismo" estão a travar a restruturação e reabertura de cabines telefónicas públicas no País que constam do portfólio de serviços da instituição pública.

Luanda /
28 Jul 2020 / 16:09 H.

Angola conta com muitas cabines telefónicas públicas em consequência de actos de vandalismo, disse Adilson dos Santos, que falava numa conferência de imprensa.

Segundo o presidente do conselho de administração da Angola Telecom, as cabines telefónicas públicas "sofrem de um problema que é um vandalismo".

"Toda vez que temos uma cabine pública, se não for num lugar minimamente protegido, ela é vandalizada. Continuamos a prestação do nosso serviço, mas esse serviço é impactado pelas cabines públicas que são vandalizadas e que temos de restaurar", disse quando questionado pela imprensa.

Sem avançar o número actual de cabines públicas em funcionamento, Adilson dos Santos referiu, no entanto, que a empresa continua a receber pedidos de instituições para a instalação de cabines telefónicas.

"As nossas cabines são suportadas pela rede da Angola Telecom e vamos continuar sim, sendo um serviço recorrente que faz parte do portfólio dos nossos serviços", frisou.

Os desafios da Angola Telecom no capítulo das infraestruturas e investimentos estiveram em abordagem nesta conferência de imprensa, que decorreu na sede da empresa, em Luanda.