Três novas refinarias vão garantir 360 mil barris de derivados

A quantidade corresponde a 80% dos produtos refinados importados e devem suprir as necessidades do mercado interno.

Luanda /
14 Out 2019 / 10:54 H.

Os três novas refinarias de petróleos que deverão ser construídas no País até 2023 vão garantir o processamento de 360 mil barris petróleo bruto/dia, depois da entrada em funcionamento da unidade industrial do Soyo, cujo concurso internacional deverá ser lançado a 24 deste mês.

A quantidade corresponde a 80% dos produtos refinados importados, que devem suprir as necessidades do mercado interno, o que tem acarretado enormes despesas em divisas para o Estado angolano. Com capacidade para processar 100 mil barris/dia, o primeiro passo para a construção da infra-estrutura do Soyo foi dado nesta quinta-feira, em Luanda com a apresentação técnica (roadshow) sobre a realização do concurso internacional.

A actividade, realizada com o objectivo de seleccionar uma empresa ou consórcio de empresas, para o seu financiamento, construção e operação (sistema BOT), vai ter a segunda apresentarão técnica no Dubai (Emirados Árabes Unidos), a 22 de Outubro ao que se segue o concurso público.

A refinaria de Cabinda terá capacidade de processar de 60 mil barris de petróleo bruto / dia e foi adjudicada ao consórcio United Shine, com 90 % do capital social, em parceria com a Sonangol Refinação (Sonaref, com 10%.

Por outro lado, a unidade do Lobito terá capacidade para processar 200 mil barris de petróleo bruto/dia.

O secretário de Estado dos Petróleos, José Alexandre Barroso, referiu, na cerimónia desta quinta-feira, que a construção de três refinarias no País (Benguela, Soyo e Cabinda) ao mesmo tempo é uma exigência do mercado interno. Realçou que urge encontrar uma solução sustentável, que permita reduzir essa dependência e criar um equilíbrio entre a dependência de produtos refinados no mercado nacional e o dispêndio de divisas com a sua importação.

Leia mais na edição nº 140 do Jornal Vanguarda, já nas bancas.