Sistema bancário angolano é robusto

A análise qualitativa foi efectuadas tanto para as condições reportadas pelo Banco a 31 de Dezembro de 2018, como nas condições revistas após a inclusão dos impactos decorrentes do Exercício.

04 Jan 2020 / 08:00 H.

O sistema bancário nacional é globalmente robusto, embora exija-se a recapitalização do Banco de Poupança e Crédito (BPC) e do Banco Económico (BE) que representavam cerca de 96% do total das necessidades, concluiu o Banco Nacional de Angola (BNA), na avaliação da qualidade dos activos, efectuadas a treze instituições bancárias nacionais.

Os 13 bancos a operar no mercado nacional, segundo a avaliação do banco central, representam 92,8% do total de activos do sistema bancário com referência a 31 de Dezembro de 2018.

Ainda assim, o BNA instruiu os bancos a registar os ajustamentos identificados nas demonstrações financeiras do exercício financeiro de 31 de Dezembro de 2019, tendo em conta a evolução dos activos durante o ano em curso.

“Após o encerramento das contas do referido exercício financeiro, os bancos devem avaliar as necessidades de capital adicional e assegurar o cumprimento dos limites prudenciais estabelecidos na regulamentação em vigor até 30 de Junho de 2020”, recomenda o BNA.

Em relação ao teste de esforço, os impactos que os bancos estimaram para cada risco, de acordo com o exercício do banco central, foram alvos de avaliação qualitativa dos auditores, de forma a que os mesmos se pronunciassem criticamente sobre a solidez da solvabilidade e liquidez. “Esta análise qualitativa foi efectuadas tanto para as condições reportadas pelo Banco a 31 de Dezembro de 2018, como nas condições revistas após a inclusão dos impactos decorrentes do Exercício”.